Avaliação do Impacto da Poluição Atmosférica no Estado de São Paulo sob a Visão da Saúde (dados 2011)

Pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade inclui Paulínia
Notícia

A pesquisa do Instituto Saúde e Sustentabilidade teve como objetivo realizar a análise dos dados ambientais de poluição atmosférica, do impacto em saúde pública (mortalidade e adoecimento) e sua valoração em gastos públicos no Estado de São Paulo, em função da adoção dos padrões de poluição atmosférica preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) durante o período de 2006 a 2011.

Embedded Scribd iPaper - Requires Javascript and Flash Player
1
www.saudeesustentabilidade.org.br
2
AUTORES
Evangelina da M. P. A. de Araujo Vormittag
Médica, especialista em Patologia Clínica e Microbiologia, Doutora em Patologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Especialista em Gestão de Sustentabilidade pela Faculdade de Administração da Fundação Getúlio Vargas SP. Realizou o Curso de Pós Graduação Economia da Saúde e Desenvolvimento Econômico da Faculdade de Economia e Administração da USP. Trabalhou como Diretora da Seção de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia do Laboratório Central do Hospital das Clínicas da FMUSP e como Gerente médica de Pesquisa Clínica da Merck Sharp & Dohme. Idealizadora, fundadora e Diretora Presidente do Instituto Saúde e Sustentabilidade.
Cristina Guimarães Rodrigues
Bacharel em Ciências Econômicas e Doutora em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais e Pós-doutorado pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo. Tem experiência acadêmica e de mercado na área de Demografia e Economia da Saúde, com participação em congressos nacionais e internacionais e cursos em universidades como Harvard e Stanford. É pesquisadora do Grupo de Estudos em Economia da Saúde e Criminalidade (Cedeplar/UFMG), do Núcleo de Estudos em Economia da Saúde e Nutrição (NEEDS/USP) e professora da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), vinculada à USP. É fundadora da CGR Social Consulting, empresa que presta consultoria e desenvolve pesquisas na área sociodemográfica, com ênfase em saúde.
Marina Jorge de Miranda
Geógrafa, Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Doutoranda em Geografia (Geografia Física) na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Investigadora no Grupo de Pesquisa em Geografia Médica e da Saúde da Universidade de São Paulo, dentro das temáticas: Saúde Urbana, Saúde Materna e Infantil, Climatologia Médica, Geoprocessamento e Estatística Espacial. Em 2012 colaborou como investigadora visitante no Gabinete de Investigação em Geografia da Saúde da Universidade de Coimbra (UC), Portugal.
www.saudeesustentabilidade.org.br
3
Júlia Affonso Cavalcante
Graduanda do curso de Bacharelado em Gestão Ambiental na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP). Atualmente discente do Master 2 Gestion de l'Environnement na Université Rennes 2, França. Realizou monitoria institucional e participou de projeto de extensão universitária promovido pelo Laboratório de Extensão EACH/USP (LABEX) em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário e o INCRA/SP. Apresentou trabalho científico no Congresso Internacional PBL (Problem-based learning) - Cali, Colômbia. Estagiária no Instituto Saúde e Sustentabilidade em 2012/2013.
Renan Rodrigues da Costa
Graduando no curso de Bacharelado em Gestão Ambiental da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Realizou monitoria institucional na área de cartografia temática e participou, como professor, do projeto de extensão universitária Pró-Universidade, em parceria com a Fundação Tide Setubal. Foi bolsista pela FAPESP, tendo desenvolvido pesquisa científica sobre negociações internacionais sobre meio ambiente, mudanças climáticas, instrumentos econômicos para a gestão ambiental, especificamente mercado de carbono, e indicadores de sustentabilidade, a qual foi aprovada no V Seminário Nacional da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. Estagiário no Instituto Saúde e Sustentabilidade desde 2013.
Camila Acosta Camargo
Graduanda em Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas na Escola de Comunicações e Artes da USP. Em 2010 foi bolsista pelo Departamento de Jornalismo e Editoração e desenvolveu pesquisa a respeito do mercado editorial no Centro de São Paulo nos dias atuais. Atuou na realização do IV Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade e na implantação do Projeto socioambiental Limpa Brasil Let’s do it. Participou da coordenação do Programa Escolas de Bicicleta, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo em todos os Centros Educacionais Unificados da capital. Estagiária de Relações Públicas no Instituto Saúde e Sustentabilidade desde 2012.
Paulo Hilário Nascimento Saldiva
Médico, Professor Titular de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
www.saudeesustentabilidade.org.br
4
RESUMO
A poluição atmosférica foi responsável pela morte de 2 milhões de pessoas no mundo em 2011, mais de 200% acima dos números de uma década antes (800 mil). Sem novas políticas, em 2050, a poluição do ar deve se tornar a principal causa ambiental de mortalidade prematura mundial. Atualmente, no Estado de São Paulo, os dados sobre o enquadramento do ar são coletados e disponibilizados pela Cia. Tecnologia de Saneamento Ambiental da Secretária do Estado de São Paulo - CETESB e baseados na Resolução CONAMA Nº 03/90. Em 2006, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou o Relatório Air Quality Guidelines, an Update 2005, um esforço mundial e estudo extenso que sugere novos padrões de ar a serem utilizados embora enfatize que não haja níveis seguros de concentração de poluentes para a saúde humana. Em uma atitude louvável, um Grupo de Trabalho, em 2010, no Consema publicou o Relatório de mudança de Padrões de Qualidade de Ar, o qual foi promulgado em abril de 2013, o Decreto 59.113/2013 que estabelece Novos Padrões de Qualidade do Ar e dá providências correlatas. O Decreto introduziu 3 Metas Intermediárias (MI1, MI2 e MI3) de Padrão de Qualidade do Ar (PQAr), e finalmente MF – o verdadeiro Padrão de Qualidade do Ar - os três últimos, sem prazo para entrar em vigor. O objetivo desta pesquisa é realizar uma avaliação dos dados ambientais de poluição atmosférica, estimativa do impacto em saúde pública (mortalidade e adoecimento) e sua valoração em gastos públicos e privados, no Estado de São Paulo, em função da adoção dos padrões de poluição atmosférica preconizados pela Organização Mundial de Saúde durante o período de 2006 a 2011. Os primeiros resultados já mostram que as médias anuais de PM
2,5
de todas as estações do Estado de São Paulo para todos os anos
situam-se acima do padrão de 10 μg/m³ da OMS, a maioria entre 20 e 25 μg/m³. Sob o prisma das cidades, em 2011, todos os 29 municípios com estações, sem exceção, apresentam média anual de MP2,5 acima do padrão da OMS sendo que 21 delas situamse acima dos níveis de 20 μg/m³ e 11 municípios estão acima ou igual aos níveis de MP2,5 da cidade de São Paulo (MP2,5 = 22,17 μg/m³), são eles: Americana, Araçatuba, Cubatão, Mauá, Osasco, Guarulhos, Paulínia, Santos, São Bernardo, São Caetano, São José do Rio Preto e Taboão da Serra. Há uma relação direta entre poluição e densidade
www.saudeesustentabilidade.org.br
5
populacional. As regiões metropolitanas apresentam média anual e o mesmo padrão durante os seis anos muito similares as da Região Metropolitana de São Paulo, com exceção de Baixada Santista, mais alta, e Litoral Norte, mais baixa. Em relação a mortalidade atribuível a poluição, o Estado de SP possui 17.443 mortes, Região Metropolitana de SP 7.932 e a capital paulistana, 4.655 óbitos. Se considerarmos as mortes atribuíveis no Estado de SP para todos os anos do estudo 2006 a 2011, a partir da publicação do Guia da OMS com os novos padrões a serem seguidos, temos 99.084 mortes, o mesmo que dizer uma cidade de 100 mil habitantes dizimada em seis anos. Há uma relação entre o nível de MP2,5 e a taxa de mortalidade entre os municípios: aqueles com os maiores níveis de MP2,5 são também os que possuem o maior risco de morte como, por exemplo, Cubatão, Osasco, Araçatuba, São José do Rio Preto, Araraquara e São Carlos. Verifica-se, para o Estado, 68.499 internações públicas atribuíveis à poluição. Considerando a distribuição das causas no Estado de São Paulo, o maior percentual de internações atribuíveis à poluição corresponde a doenças respiratórias em adultos (38%), seguida das doenças cardiovasculares, com 33%. Há regiões metropolitanas em que prevalece a doença respiratória em crianças. Em 2011, para o Estado temos o DALY de 159.422 anos. A taxa de DALY para cada 1.000 habitantes no Estado de 3,8, ou uma perda de 1,39 dias de vida por morte prematura ou internação para cada residente no Estado de São Paulo, em decorrência da poluição atmosférica, no ano de 2011 para as doenças consideradas no estudo. O gasto público de internações por doenças cardiovasculares, pulmonares e câncer de pulmão atribuíveis à poluição na cidade de São Paulo, em 2011, foi em torno de R$ 31 milhões, correspondendo a 0,51% do orçamento para aquele ano. Os gastos públicos e (suplementar) privado de internações pelas mesmas doenças descritas no Estado de São Paulo, em 2011, foram respectivamente, em torno R$ 76 milhões e R$ 170 milhões, totalizando os gastos em R$ 246 milhões no Estado.
www.saudeesustentabilidade.org.br
6
ÍNDICE DE FIGURAS
Figura 1 - Mortes prematuras devido ao Material Particulado no mundo .................................. 10 Figura 2 - Mortes prematuras devido a alguns riscos selecionados: ........................................... 11 Figura 3 – Estações de monitoramento incluídas no estudo, 2006 a 2011. ................................ 22 Figura 4 - Divisão geográfica do Estado de São Paulo em UGRHI ................................................ 23 Figura 5 - UGRHIs com estações de monitoramento da CETESB ................................................. 25 Figura 6 - Médias anuais de MP2,5 no Estado de São Paulo, anos 2006 a 2011, incluindo dados de Cubatão. ...................................................................................................................................... 39 Figura 7 - Médias anuais de MP2,5 no Estado de São Paulo, anos 2006 a 2011, sem os dados de Cubatão. ...................................................................................................................................... 40 Figura 8 - Médias anuais de MP2,5 no município de São Paulo ..................................................... 40 Figura 9 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana de São Paulo. ................................. 41 Figura 10 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana de Campinas. .............................. 42 Figura 11 - Médias anuais de MP2,5 na Região ABCD. .................................................................. 42 Figura 12 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana da Baixada Santista. .................... 43 Figura 13 - Médias anuais de MP2,5 por município em 2011 ........................................................ 45 Figura 14 - Média MP2,5 por ordem decrescente dos municípios ................................................ 46 Figura 15 - Médias e máximas por município .............................................................................. 47 Figura 16 - Média de MP 2,5 de 2006 a 2011 de cada município.................................................. 48 Figura 17 - Municípios do Estado de São Paulo: Densidade demográfica e Média anual de MP 2,5 ..................................................................................................................................................... 49 Figura 18 - Médias anuais de MP2,5 por RM em 2011 .................................................................. 51 Figura 19 - Gráfico em barras dos valores das médias MP2,5 por RM , ano a ano, 2006 a 2011 .. 52 Figura 20 - Gráfico em curvas dos valores das médias MP2,5 por RM , ano a ano, 2006 a 2011 . 52 Figura 21 - Gráfico em barras dos valores das médias MP 2,5 por UGRHI, ano a ano, 2006 a 2011 ..................................................................................................................................................... 54 Figura 22 - Distribuição de Médias de MP2,5 por UGRHI no Estado de São Paulo ........................ 54 Figura 23 - Média de MP2,5 x População por UGRHI.................................................................... 55 Figura 24 - Taxa de mortalidade por poluição (Mortalidade atribuível à poluição e população total do município) - 2011 ........................................................................................................... 57 Figura 25 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Estado de São Paulo (2011).......... 60 Figura 26 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Aglomerado Urbano de Jundiaí (2011). ......................................................................................................................................... 60 Figura 27 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Aglomerado Urbano de Piracicaba (2011). ......................................................................................................................................... 61 Figura 28 - Internações atribuíveis à poluição por causas na Microrregião de Sorocaba (2011). 61 Figura 29 - Internações atribuíveis à poluição por causas na Baixada Santista (2011). ............... 61 Figura 30 - Internações atribuíveis à poluição por causas na RM de Campinas. (2011). ............. 62 Figura 31 -Internações atribuíveis à poluição por causas na RMSP (2011). ................................. 62 Figura 32 - Internações atribuíveis à poluição na RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte (2011).62 Figura 33 - Número de mortes ligadas à má qualidade do ar em todo o mundo ........................ 71
www.saudeesustentabilidade.org.br
7
ÍNDICE DE TABELAS
Tabela 1 - Comparação dos padrões MP10................................................................................... 15 Tabela 2 - Comparação dos padrões MP2,5 .................................................................................. 15 Tabela 3 - Parâmetros de condições agudas ............................................................................... 16 Tabela 4 - Unidades UGRHI com estação e População ................................................................ 24 Tabela 5 - Mortalidade por doenças e grupos etários selecionados, e os respectivos riscos relativos utilizados no cálculo do YLL ........................................................................................... 29 Tabela 6 - Internações por doenças e grupos etários selecionados, e os respectivos pesos de incapacidade e coeficientes utilizados no cálculo do YLD............................................................ 31 Tabela 7 - Estações, Número de observações, Médias anuais de MP2,5 das estações automáticas por ano, Medida máxima de MP2,5 no ano,2006 a 2011............................................................. 36 Tabela 8 - Média anual de MP2,5 por município, anos 2006 a 2011............................................. 43 Tabela 9 - Média anual de MP2,5 por Regiões metropolitanas, anos 2006 a 2011 ....................... 50 Tabela 10 - Médias anuais de MP2,5 por UGRHI, ano a ano.......................................................... 53 Tabela 11 - Mortes atribuíveis à poluição nos municípios ........................................................... 56 Tabela 12 - Internações públicas por doenças específicas atribuíveis a poluição por município, Regiões metropolitanas, UGRHI e UF SP - 2011 .......................................................................... 59 Tabela 13 - Valores de DALY para o Estado ................................................................................. 63 Tabela 14 - Valores de DALY para RM .......................................................................................... 63 Tabela 15 - Gastos públicos (Reais) em saúde devido às internações na Rede Pública de Saúde por município............................................................................................................................... 66 Tabela 16 - Gastos públicos (Reais) e privados em saúde devido às internações na Rede Pública e Suplementar de Saúde por RM, UGRHI e Estado de SP. .............................................................. 67 Tabela 17 – Valor monetário dos anos de vida perdidos por morte prematura ou doenças (DALY), atribuíveis ao PM 2,5, por município - 2011 ................................................................... 68
www.saudeesustentabilidade.org.br
8
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ................................................................................................................................. 9 1. OBJETIVO.................................................................................................................................. 19 2. METODOLOGIA ........................................................................................................................ 20 2.1. CÁLCULO AMBIENTAL ....................................................................................................... 20 2.2. CÁLCULO EPIDEMIOLÓGICO ............................................................................................. 26 2.2.1 A carga global de doenças (método DALY) ................................................................. 26 2.2.2 A carga de doenças ambiental .................................................................................... 28 2.2.3. Banco de dados e variáveis utilizadas ........................................................................ 29 2.2.4 Internações do setor privado ...................................................................................... 31 2.3 CÁLCULO DE VALORAÇÃO ECONÔMICA ............................................................................ 33 2.3.1 Valoração econômica em saúde ................................................................................. 33 2.3.2 Custo direto da morbidade ......................................................................................... 34 3. RESULTADOS ............................................................................................................................ 35 3.1 RESULTADOS AMBIENTAIS ................................................................................................. 35 3.2 RESULTADOS EPIDEMIOLÓGICOS ...................................................................................... 55 3.2.1 Mortalidade atribuível ................................................................................................ 55 3.2.2 Internações ................................................................................................................. 58 3.2.3 DALY............................................................................................................................ 63 3.3 RESULTADOS ECONÔMICOS .............................................................................................. 64 3.3.1. Gastos com internações públicas e privadas ............................................................. 64 3.3.2 Valoração econômica em saúde ................................................................................. 68 CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................................... 70 REFERÊNCIAS ............................................................................................................................... 72 ANEXO.......................................................................................................................................... 78
www.saudeesustentabilidade.org.br
9
AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA No Estado de São Paulo sob a visão da saúde
INTRODUÇÃO
O Brasil abriga hoje mais de 84% de seus habitantes em áreas urbanas (IBGE, 2010). No entanto, um aspecto da relação entre cidade e meio ambiente raramente abordado é a qualidade de vida do homem (SALDIVA, 2010).
A poluição atmosférica – preocupação mundial dos órgãos de saúde
A poluição atmosférica foi responsável pela morte de 2 milhões de pessoas no mundo em 2011 (65% na Ásia), mais de 200% acima dos números de uma década antes (800 mil) (WHO, 2011). Em São Paulo, por exemplo, estima-se um excesso de 7 mil mortes prematuras ao ano na região metropolitana e 4 mil na capital, decorrentes do impacto da poluição na saúde das pessoas, além da redução de 1,5 anos de vida, com um custo financeiro que, dependendo da métrica utilizada, pode variar entre centenas de milhões a mais de um bilhão de dólares por ano. Lançado em 2012, o Relatório: Perspectivas Ambientais para 2050: as Consequências da Inação, pela OECD Organização para Cooperação e
Desenvolvimento Econômico (em inglês: Organization for Economic Co-operation and Development) clarifica que a poluição do ar, o abastecimento de água insalubre, a falta de saneamento e a contaminação por produtos químicos perigosos exercem pressões significativas sobre a saúde humana, particularmente os idosos, crianças e jovens, que sob os efeitos adicionais das mudanças climáticas vêm aumentar a carga global de doenças (OECD, 2011).
www.saudeesustentabilidade.org.br
10
Figura 1 - Mortes prematuras devido ao Material Particulado no mundo Países do grupo OECD e BRICS*, RoW** = rest of the world1
4,0 Deaths (millions of people) 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 2000 OECD BRIICS RoW
2010
2020
2030
2040
2050
Fonte: 0ECD, 2011 Os países mais desenvolvidos e ricos são os que apresentam menor poluição e riscos, o que mostra claramente que o combate à poluição não impede o crescimento econômico. O relatório também aponta tendências e projeções sobre diversos aspectos, enfatiza que em relação à poluição atmosférica, se não houver implementação de novas medidas ou políticas, a qualidade do ar continuará a se deteriorar globalmente e que, por volta de 2050, a poluição por material particulado (MP) e ozônio será a principal causa de morte relacionada ao meio ambiente mundialmente, como demonstra a Figura 2 abaixo.
1
*BRICS = Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul **RoW = Rest of The World (restante do mundo)
www.saudeesustentabilidade.org.br
11
Figura 2 - Mortes prematuras devido a alguns riscos selecionados: Exposição ao MP e ozônio, suplemento de água insalubre, Poluição indoor e Malária - 2010 a 2050
Se nada for feito, até 2050 a principal causa mortis, excluindo doenças crônicas não evitáveis, estará relacionada às complicações cardiorrespiratórias devidas à má qualidade do ar das cidades, pelos poluentes material particulado – MP e ozônio troposférico, superando as mortes por malária, poluição indoor, consumo de água insalubre e falta saneamento básico (OECD, 2011).
Sem novas políticas, em 2050, a poluição do ar deve se tornar a principal causa ambiental de mortalidade prematura mundial. Em 2006, a Organização Mundial de Saúde (OMS) publicou o Relatório Air Quality Guidelines, an Update 2005 (Guia de Qualidade do Ar), um esforço mundial e estudo extenso que sugere novos padrões de ar a serem utilizados (WHO, 2006). A forma mais precisa de se mensurar o impacto de concentrações de poluentes no ar ambiente em saúde é a condução de estudos epidemiológicos, estabelecidos através de funções dose-resposta e sua correlação com indicadores de morbidade e mortalidade na população susceptível. Mesmo assim, segundo o Relatório, não há níveis seguros de concentração de poluentes para a saúde humana. Atualmente, no Estado de São Paulo, os dados sobre a qualidade do ar são coletados e disponibilizados pela Cia. Tecnologia de Saneamento Ambiental da
www.saudeesustentabilidade.org.br
12
Secretária do Estado de São Paulo - CETESB. Entretanto, existem insuficientes redes de monitoramento no território paulista, dada a sua extensão geográfica, o que determina resultados generalizados, devido ao pequeno número de amostras. Realizar o monitoramento da qualidade do ar proporciona retratos da situação atual das cidades, das regiões metropolitanas e do Estado, e podem gerar, posteriormente, diagnósticos regionais e locais que apontem tendências históricas dos indicadores de qualidade ambiental (CETESB, 2012). Além disso, a qualidade do ar é definida mediante um padrão estabelecido pela União nos anos 90, baseado em dados científicos da década de 80, e que, portanto, estão desatualizados há 35 anos, em face do enorme avanço dos estudos científicos. Através da Portaria Normativa Nº 348, de 14/03/90, o IBAMA estabeleceu os padrões nacionais de qualidade do ar e os respectivos métodos de referência, ampliando o número de parâmetros anteriormente regulamentados através da Portaria GM Nº 0231, de 27/04/76. Os padrões estabelecidos foram submetidos ao CONAMA em 28/06/90 e transformados na Resolução CONAMA Nº 03/90. (CONAMA, 1990) O estudo de Candace Vahlsing & Kirk Smith, publicado em 2012, uma revisão global sobre os padrões de qualidade de ar para MP10, através de questionários a 96 países, que representam 84% da população no mundo, evidenciou que 72% deles possuíam padrão de medida diária para MP10. A média do valor do padrão encontrada entre os países foi 98 μg/m³, bem acima do preconizado pela OMS - 50 μg/m³, e abaixo do padrão CONAMA estabelecido em 1990, de 150 μg/m³. Além disso, o Brasil é tido como o penúltimo país a ter alterado o padrão, na década de 90, comparado aos outros países que vêm estabelecendo a atualização de seus padrões desde então. (VAHLSING & SMITH, 2012) Fajersztajn e cols., em um recente artigo muito interessante sobre a poluição do ar, mostrou um desequilíbrio entre o número de artigos científicos produzidos sobre poluição atmosférica em um país e os seus níveis de poluição do ar. Os países em desenvolvimento contribuem com apenas 5% de todos os artigos sobre o tema e possuem os piores níveis de poluição. Teoricamente, uma boa pesquisa científica é necessária como base para proporcionar a introdução de políticas públicas que visem controlar os malefícios ambientais para a saúde humana e a diminuição dos gastos públicos em saúde decorrentes. No Brasil, acontece o contrário: é um dos países que
www.saudeesustentabilidade.org.br
13
mais publica sobre o tema no mundo, entre os seis primeiros, e não conseguiu estabelecer políticas públicas, que, de fato, venham a trazer benefícios para a saúde pública, possui um monitoramento insuficiente no país, níveis relativamente elevados de poluentes atmosféricos e baseia-se, em nível nacional, em um dos piores padrões de poluição do ar. (FAJERSZTAJN et al. 2013)
Quanto mais alto o padrão de qualidade de ar, mais difícil entender o que, de fato, acontece. Em uma iniciativa louvável, em março de 2008, durante a 245ª Reunião Plenária Ordinária do Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA), foram pautadas questões relativas à qualidade do ar na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) e à necessidade de revisar, com base em amplo debate técnico, os padrões vigentes. Foi então criado um Grupo de Trabalho interinstitucional, que teve como missão elaborar e apresentar propostas de alteração dos padrões de qualidade do ar e para o aprimoramento da gestão integrada da qualidade do ar no Estado de São Paulo, tendo como referência as diretrizes da Organização Mundial da Saúde e as experiências nacionais e internacionais. O Grupo de Trabalho foi coordenado pelas Secretarias de Estado da Saúde - SES e do Meio Ambiente – SMA. Tendo por motivação central a proteção da saúde e o bem-estar da população, o Grupo de Trabalho utilizou como referência para estabelecer os padrões de qualidade do ar as recomendações da Organização Mundial da Saúde (WHO, 2006), destacando de seu documento de 482 páginas as seguintes premissas:
[...] As diretrizes de Qualidade do Ar da OMS são baseadas na evidência científica extensiva sobre a poluição atmosférica e suas consequências à saúde. [...] as metas de qualidade do ar intermediárias estaduais a serem implementadas variarão de acordo com a abordagem adotada para balancear riscos à saúde, viabilidade técnica, considerações econômicas, e vários outros fatores políticos e sociais, que por sua vez dependerão, entre outras coisas, do nível de desenvolvimento e da capacidade nacional de gerenciar a qualidade do ar. As diretrizes recomendadas pela OMS levam em conta esta heterogeneidade, e em particular, reconhecem que ao formularem políticas de qualidade do ar, os governos devem considerar cuidadosamente suas circunstâncias locais antes de adotarem os valores-guia diretamente como padrões legais nacionais. [...] O processo de estabelecimento de metas temporárias de qualidade do ar visa atingir as menores concentrações possíveis no contexto de limitações locais, capacidade técnica e prioridades em termos de saúde pública.
www.saudeesustentabilidade.org.br
14
[...] Assim, ao serem definidas as metas de qualidade do ar, é importante considerar, além dos benefícios à saúde, os custos potenciais e a viabilidade em termos técnicos, econômicos e sociais, pois a adoção de valores mais restritivos, sem atenção às reais possibilidades de aplicação destes, pode causar descrédito e, consequentemente, prejudicar a efetividade da estratégia de atingimento dos padrões como instrumento de melhoria da qualidade ambiental. Como consequência dessas premissas a própria OMS entende que a redução de poluição atmosférica dificilmente ocorre abruptamente e, por consequência, além de indicar novos valores guia, sugere passos intermediários a serem atingidos dentro de metas coerentes com a capacidade do país que as adote. (CONSEMA, 2010)
A partir do RELATÓRIO FINAL do Grupo de Trabalho, em 2010, no Consema (CONSEMA, 2010), foi promulgado em abril de 2013 o Decreto 59.113/2013 23/04/2013 – estabelece Novos Padrões de Qualidade do Ar e dá providências correlatas. O Decreto introduziu 4 Metas Intermediárias (MI1, MI2 e MI3) de Padrão de Qualidade do Ar (PQAr), e, finalmente, MF – o verdadeiro Padrão de Qualidade do Ar - os três últimos sem prazo para entrar em vigor. (SÃO PAULO, 2013) Houve avanços e, indubitavelmente, abriu-se uma oportunidade para a revisão dos padrões e estabelecimento de metas. Alguns pontos devem ser revistos no Decreto 59.113, em parceria com a sociedade civil e academia, no intuito de torná-lo mais pragmático e efetivo, de modo análogo ao Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE) e a Política Municipal de Mudança Climática, com metas claras e cronograma, mostrando seu êxito:
i) Elaboração de um capítulo inicial com definições conceituais claras, especialmente as que diferenciam o conceito de padrão de qualidade do ar das metas intermediárias de qualidade do ar que compõem a estratégia de atingimento dos padrões de qualidade do ar - verdadeiros indicadores dos problemas causados à saúde pública; ii) Estabelecimento de prazos, atualmente inexistentes, para as metas intermediárias de qualidade do ar entrarem em vigor; iii) Definição de uma estratégia clara e determinada de como será feita a redução dos poluentes, para fontes móveis e fixas, um plano de ação com prazos e cronograma - uma série de medidas de redução da poluição veicular são extremamente vagas e sem cronograma para sua implementação; iv) Definição clara de requisitos para divulgação sistemática das áreas que apresentam concentrações de poluentes acima do padrão de qualidade do ar final, o que indica a existência de prejuízos à saúde pública; www.saudeesustentabilidade.org.br
15 v) Clareza na sistematização e especificação do conceito de Saturação de uma bacia aérea; as regras para a compensação de emissões nas áreas Saturadas (SAT) e, se baseadas somente na meta intermediária MI1, ao invés do padrão de qualidade do ar final (MF), que caracteriza a Saturação; vi) Alteração dos valores de referência para decretação/divulgação de episódios críticos de contaminação atmosférica, como emergência, alerta e atenção, pois os mesmos foram mantidos segundo os padrões vigentes anteriormente, em que pese a revisão dos padrões de qualidade do ar para patamares bem inferiores aos valores desatualizados de 1990, e vii) Revisão e não eliminação da medida prioritária de implantação da inspeção veicular ambiental em todo estado inicialmente prevista no plano de controle da poluição veicular no estado (pcpv) – 2009 e presente na Deliberação CONSEMA 25/2012.
A partir de abril de 2013, passa-se a adotar o MI1, a alteração de MP10 24 horas de 150 para 120 μg/m³ e a introdução de padrão para MP2,5. As tabelas abaixo demonstram os valores padrões de poluentes no curso da história. Tabela 1 - Comparação dos padrões MP10
OMS MÉDIA ANUAL 24 HORAS 20 μg/m³ 50 μg/m³ CONAMA 1990 50 μg/m³ 150 μg/m³ DECRETO 2013 MI1 40 μg/m³ 120 μg/m³
Tabela 2 - Comparação dos padrões MP2,5
OMS MÉDIA ANUAL 10 μg/m³ CONAMA 1990 não há DECRETO 2013 20 μg/m³ EPA* 15 μg/m³ 35 μg/m³ EEA** 25 μg/m³
24 HORAS
25 μg/m³
não há
60 μg/m³
*EPA = United States Environmental Protection Agency (USEPA) **EEA = European Environmental Agency
Critérios para episódios agudos de poluição do ar (Resolução CONAMA n 03 de 28/06/90) (CONAMA, 1990)
www.saudeesustentabilidade.org.br
16
Tabela 3 - Parâmetros de condições agudas
MÉDIA 24 HORAS MP10 MP2,5 Atenção 250 125 Alerta 420 210 Emergência 500 250
A variação tóxica ambiental pode afetar a saúde de maneiras e níveis de gravidade diversos. A literatura mundial relaciona a poluição do ar à redução da expectativa de vida, a um maior risco de arritmias e infarto agudo do miocárdio; bronquite crônica e asma (Doenças Pulmonares Obstrutivas Crônicas - DPOC), obesidade, câncer do pulmão e à depressão. Os efeitos adversos dos poluentes atmosféricos manifestam-se com maior intensidade em crianças, idosos, indivíduos portadores de doenças respiratórias e cardiovasculares crônicas e, especialmente, nos segmentos mais desfavorecidos do ponto de vista socioeconômico. Sob o prisma da saúde das crianças, a situação é ainda mais alarmante. A criança, antes mesmo de nascer, dentro do útero da mãe, já sofre as consequências da poluição atmosférica, comprovadas por estudos que demonstram retardo do crescimento intrauterino, menor peso ao nascer, maior mortalidade intrauterina e maior mortalidade neonatal (PEREIRA et al., 1998; BRAGA et al., 2001; LIN et al., 2004). O aumento de 10 μg/m³ de MP2,5 na cidade acarreta um risco mais significativo de mortes por doença cardiovascular, DPOC e pneumonia, de 9% em populações mais suscetíveis à exposição de poluentes. No caso de câncer, cada indivíduo nasce com um risco de desenvolver a doença. Naqueles que são mais vulneráveis, o efeito tóxico de poluentes pode ser decisivo no desenvolvimento do câncer. Um estudo recentemente publicado em 2013, em 12 cidades da Europa, mostra que o aumento de 10 μg/m³ de MP2,5 eleva o risco do desenvolvimento de câncer de pulmão em 40% em moradores mais predispostos ao desenvolvimento da doença. A taxa de letalidade do câncer de pulmão é de 60%. Da mesma forma, acarreta o aumento de internação hospitalar (uma maior demanda hospitalar) para crianças e adultos com doenças respiratórias respectivamente em 10% a 40% e de 10 a 22%, e o aumento de internação de adultos com doença cardiovascular em 18%. (DOCKERY et al., 1993; POPE et al., 1994; POPE et
www.saudeesustentabilidade.org.br
17
al., 1995; BRAGA et al., 2001; CONCEIÇÃO et al., 2001; POPE et al., 2002; POPE et al., 2004; ANDERSON et al., 2004; FARHAT, 2005; PETERS, 2005; CANÇADO, 2006; LADEN et al., 2006; WHO, 2006; POPE & DOCKERY, 2006; NASCIMENTO et al., 2006; ULIRSCH et al., 2007; LEPEULE et al., 2012; CAREY et al., 2013). Bell et al. (2005) mostrou que se houvesse a redução de 10% de poluentes entre 2000 e 2020, na cidade de São Paulo, acarretaria a redução de 114 mil mortes, 138 mil visitas de crianças e jovens a consultórios, 103 mil visitas a Pronto-Socorros por doenças respiratórias, 817 mil ataques de asma, 50 mil casos de bronquite aguda e crônica e evitaria 7 milhões de dias restritivos de atividades e 2,5 milhões de absenteísmo em trabalho. Outro estudo publicado afirma que, dentre os riscos evitáveis, a poluição atmosférica e o trânsito são, juntas, a primeira ameaça para infarto do miocárdio nas cidades. Tráfego mais poluição explicam 15 % dos casos de infarto na cidade. A poluição do ar mata mais do que cigarro (NAWROT et al., 2011). Embora o cigarro seja muito pior do que a poluição do ar, o seu risco se aplica apenas aos fumantes, ao passo que a poluição atinge a todos. O aumento do tráfego em 4.000 veículos km/dia em uma via até 100 metros da residência mostrou ser um fator de risco para desenvolvimento de câncer de pulmão (NIELSEN et al, 2013). A implementação de políticas públicas e inciativas na cidade são muito importantes. O Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE) da CETESB, implementado na década de 90, foi extremamente importante para a redução de emissão de poluentes durante os últimos 20 anos. O programa colocou limites nas emissões de gases poluentes dos carros e resultou em uma série de mudanças tecnológicas nos veículos. Apesar de serem os grandes responsáveis pela poluição na cidade, os carros chegaram a poluir 95% menos do que em 1986 e os caminhões reduziram seus níveis de poluição em 85% no mesmo período. A redução de 40 % na concentração dos poluentes entre os anos 90 e os primeiros cinco anos da presente década foi suficiente prevenir 50 mil mortes no período e economizar US$ 4,5 bilhões por conta dos gastos evitados com saúde, além da diminuição do consumo de energia e redução dos gases do efeito estufa (GEE) (SALDIVA & ANDRÉ, 2009). A inspeção veicular também tem sido muito importante para a cidade de São Paulo. Em 2011, 75% da frota foi examinada e houve redução em 28% de emissão de material particulado, com impacto em saúde: redução de mortes e internações se
www.saudeesustentabilidade.org.br
18
considerarmos o mesmo resultado para 100% da frota da cidade ou para 100% da frota da região metropolitana, haveria um benefício de redução de 1.560 mortes e 4.000 internações. Do ponto de vista de gastos públicos haveria uma economia de 212 milhões de dólares o que significa uma taxa de retorno investida de 1: 9,9 em saúde. (INAIRA, 2012) Salienta-se que a inspeção de material particulado ocorre apenas para veículos a diesel. Caso todos os ônibus a diesel passassem a usar o etanol, haveria a redução de 4.588 casos de internações hospitalares e 745 casos de mortes por ano, o que equivaleria a uma redução de gastos de US$ 145 milhões por ano (SALDIVA et al., 2010). Um estudo sobre os impactos das paralisações (greves) das operações do Metrô ocorridas no período de 1986 a 2006 mostrou o incremento de 50% nos níveis de concentração de MP10 e aumento de internações de idosos. Os benefícios do Metrô para a saúde pública, como contribuição deste sistema de transporte na redução da poluição atmosférica em São Paulo, foram valorados em R$ 10,75 bilhões anuais (SILVA, 2009). O Estado de São Paulo possui área aproximada de 249.000 km², que corresponde a 2,9% do território nacional. É a unidade da federação de maior ocupação territorial e maior contingente populacional, em torno de 43 milhões de habitantes (IBGE, 2013), maior desenvolvimento econômico (industrial, serviços e agrícola destacando-se a atividade sucroalcooleira) e a maior frota automotiva. A estimativa da frota veicular para o Estado em 2011 foi de 13.640.786 veículos (CETESB, 2012). A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) apresenta uma população de 19.956.590 habitantes (IBGE, 2013), ou 48% do total do Estado, e uma frota de 6.728.161 veículos. Pode-se notar que a RMSP concentrou 49% da frota do Estado em 2011 em apenas 3,2% do território. A deterioração da qualidade do ar na RMSP é decorrente das emissões atmosféricas provenientes dos veículos e das indústrias, no entanto a fonte veicular representa cerca de 90% das emissões. Em se tratando de MP, objeto deste estudo, os veículos são responsáveis por apenas 40% de sua emissão. Em 2011, as emissões de MP deram-se pelos seguintes tipos de fonte: 1,4% - veículos leves, 38,6% - veículos pesados, 10,0% - processo industrial, 25 % - ressuspensão, 25% - aerossol secundário.
www.saudeesustentabilidade.org.br
19
Vale ressaltar a queima de cana de açúcar em algumas regiões do Estado como fonte de emissão de MP (CETESB, 2011).
1. OBJETIVO
O objetivo do estudo é realizar uma avaliação dos dados ambientais de poluição atmosférica, estimativa do impacto em saúde pública (mortalidade e adoecimento) e sua valoração em gastos públicos e privados, no Estado de São Paulo, tomando por base o padrão de poluição atmosférica preconizados pela Organização Mundial de Saúde durante o período de 2006 a 2011.
O projeto visa estimar  Os níveis de poluição atmosférica, considerando os níveis do poluente MP2,5 (Material Particulado de menor tamanho até 2,5 μ) na rede e estações automáticas da CETESB que medem MP10 e MP2,5 no Estado de São Paulo, e compará-los ao padrão MP2,5 preconizado pela OMS, como nível máximo aceitável para o mínimo efeito deletério à saúde humana (embora enfatize que não há nível seguro do efeito de toxicidade no organismo humano para qualquer poluente), em substituição aos padrões adotados pela CETESB, preconizados pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente - Resolução CONAMA Nº 03/90; Os efeitos para a saúde humana decorrentes da exposição da população a níveis do poluente MP2,5 que excedam o preconizado pela OMS, considerando-se a mortalidade geral atribuível à poluição e o DALY ( Disability Adjusted Life Years), anos de vida perdidos por mortalidade precoce e vividos com incapacidade relacionados às doenças isquêmicas cardiovascular e cerebrovascular, doenças pulmonares obstrutivas crônicas, pneumonia e câncer de pulmão – associadas aos efeitos da poluição atmosférica. O valor monetário do DALY atribuível à poluição atmosférica, bem como os gastos com saúde pública e suplementar relacionados a internações hospitalares pelas doenças mencionadas em função da poluição atmosférica pelo poluente MP2,5 .


Objetivo secundário: Espera-se que os resultados desta pesquisa venham a contribuir para a revisão dos padrões de qualidade de ar da resolução CONAMA/90 e a elaboração de uma política nacional de redução dos poluentes.
www.saudeesustentabilidade.org.br
20
2. METODOLOGIA
A metodologia baseia-se em 3 etapas: cálculos ambientais, epidemiológicos e econométricos. Serão empregadas diferentes ferramentas metodológicas para a análise da poluição atmosférica no Estado de São Paulo, seus efeitos sobre a saúde e gastos decorrentes destes efeitos a partir da utilização dos padrões de poluição adotados pela Organização Mundial de Saúde, ao invés dos padrões da Resolução CONAMA Nº 03/90. (CONAMA, 1990). O período de estudo é entre os anos de 2006 e 2011. As informações necessárias para alcançar os objetivos acima foram obtidas dentro de bases de informações já disponíveis e acessíveis.
2.1. CÁLCULO AMBIENTAL
Os dados ambientais foram obtidos da CETESB (Cia. Tecnologia de Saneamento Ambiental da Secretária do Estado de São Paulo). A concentrações ambientais de MP10 e MP2,5 – a partir de dados fonte já validados, medidas horárias obtidas diretamente da CETESB - arquivo em CD, dados validados entregues à Faculdade de Medicina da USP - das estações da Rede Automática, monitores fixos, disponíveis para os anos 2006 a 2011. Segundo Relatórios da CETESB (CETESB, 2006; CETESB, 2007; CETESB 2008; CETESB, 2009; CETESB, 2010; CETESB 2011), as estações da Rede Automática se caracterizam pela capacidade de processar na forma de médias horárias, no próprio local e em tempo real, as amostragens realizadas a intervalos de cinco segundos. Estas médias são transmitidas para a central de telemetria e armazenadas em servidor de banco de dados dedicado, onde passam por processo de validação técnica periódica. Já nas estações da Rede Manual, a amostragem é realizada durante 24 horas a cada 6 dias, por esta razão optou-se em avaliar, para este estudo, apenas a Rede Automática. Na Rede Automática as partículas inaláveis finas MP2,5 e partículas inaláveis MP10 são medidas pelo método de radiação Beta. (CETESB, 2011)
www.saudeesustentabilidade.org.br
21
Utilizou-se o cálculo dos dados horários para obtenção das medidas de média diária e a partir das médias diárias foram realizados todos os cálculos, como, por exemplo, para a média anual da estação ano a ano, 2006 a 2011, bem como para diferentes combinações de estações a depender da área geográfica almejada. Baseado nas médias diárias de MP2,5 e MP10 na estação Congonhas (1 de janeiro a 31 de dezembro de 2011), calculou-se a razão MP2,5/ MP10, para se verificar o nível do componente MP2,5 na concentração de MP10. Obteve-se o valor 0,63, ou seja, estima-se que 63% de MP10 é composto por MP2,5 em São Paulo. Utilizou-se o valor 0,6 para a conversão de todas as medidas MP10 para MP2,5. O estudo foi realizado analisando-se apenas o poluente MP2,5. Segundo a OMS, o MP10, pode conter de 0,3 a 0,8 MP 2,5 a depender das características da localização geográfica, fontes de emissão, condições meteorológicas, população, e outras. (OMS, 2006) Materiais particulados são misturas de partículas líquidas e sólidas em suspensão no ar. Sua composição e tamanho dependem da fonte de emissão: partículas grandes, com diâmetro entre 2,5 e 30 µm, são emitidas por combustões descontroladas, dispersão mecânica, solo (poeiras resuspensas do solo) e materiais da crosta terrestre, como pólen, esporos e cinzas vulcânicas; partículas pequenas, menores que 2,5 µm, pela combustão de fontes móveis e estacionárias, como automóveis, incineradores, termoelétricas, fogões a gás e tabaco. Denominam-se MP2,5 as partículas inaláveis finas menores ou iguais a 2,5 µm que atingem as vias respiratórias inferiores e alcançam os alvéolos. Apresentam a importante característica de transportar gases adsorvidos em sua superfície até onde ocorre a troca gasosa nos pulmões. As estações estudadas foram categorizadas, de acordo com sua localização, geograficamente, em Municípios, Regiões Metropolitanas e Unidades de
Gerenciamento de Recursos Hídricos - UGRHIs. Estes dados estão descritos no anexo (SEADE, 2011). Estações estudadas: A figura abaixo demonstra as estações incluídas no estudo, anos de 2006 a 2011. Note que apenas em 2011 há 2 estações para MP2,5.
www.saudeesustentabilidade.org.br
22
Figura 3 – Estações de monitoramento incluídas no estudo, 2006 a 2011.
Ano Estação/MP
Jacareí São José dos Campos Ribeirão Preto Americana Campinas-Centro Jundiaí Paulínia Paulínia Sul Piracicaba Cambuci Centro Cerqueira César Congonhas Diadema Ibirapuera IPEN – USP Guarulhos Mauá Moóca Nossa Senhora do Ó Osasco Parelheiros Parque D. Pedro II Pinheiros Santana Santo Amaro Santo André - Centro Santo André - Capuava Santo André - Paço Municipal São Bernardo do Campo São Caetano do Sul Taboão da Serra Horto Florestal Cubatão – Centro Cubatão - Vila Parisi Cubatão - Vale do Mogi Santos Sorocaba Tatuí Araraquara Bauru Jaú São José do Rio Preto Catanduva Araçatuba Marília Presidente Prudente 29 29 38 40 40 40 2
2006 MP 10
2007 MP 10
2008 MP 10
2009 MP 10
2010 MP 10
2011 MP 10 MP 2,5
www.saudeesustentabilidade.org.br
23
MUNICÍPIOS ESTUDADOS: representados por uma ou mais estações: Americana, Araçatuba, Araraquara, Bauru, Campinas, Catanduva, Cubatão, Diadema, Guarulhos, Jacareí, Jaú, Jundiaí, Marília, Mauá, Osasco, Paulínia, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, Sorocaba, Taboão da Serra e Tatuí. REGIÕES METROPOLITANAS ESTUDADAS: representadas por uma ou mais estações: São Paulo, Vale do Paraíba e Litoral Norte, Campinas, Baixada Santista, Aglomerado Urbano de Jundiaí, Região Micro de Sorocaba e Aglomerado Urbano de Piracicaba. Incluiu-se também a região ABCD composta pelos municípios de Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema. O Estado de São Paulo está dividido, de acordo com a Lei Estadual Nº 9.034/94 de 27 de dezembro de 1994, em 22 Unidades de Gerenciamento de Recursos Hídricos – UGRHIs. A UGRHI está estruturada no conceito de bacia hidrográfica, onde os recursos hídricos convergem para um corpo d’água principal. Para facilitar, utilizou-se neste estudo a mesma divisão do Estado de São Paulo adotada pela CETESB.
Figura 4 - Divisão geográfica do Estado de São Paulo em UGRHI
www.saudeesustentabilidade.org.br
24
Das 22 UGRHIs do Estado de São Paulo, apenas 11 possuem uma ou mais estações. As 11 UGRHIs com estações de monitoramento são as regiões de maior número de habitantes, representam 35.893.768 habitantes, 86% da representatividade do Estado e a outra metade, apenas 5.685.927. (IBGE, 2010)
Tabela 4 - Unidades UGRHI com estação e População
NUMERO 2 4 5 6 7 10 13 15 19 21 22 UGRHI PARAIBA DO SUL PARDO PIRACICABA/CAPIVARI/JUNDIAI ALTO TIETE BAIXADA SANTISTA TIETE/SOROCABA TIETE/JACARE TURVO/GRANDE BAIXO TIETE PEIXE PONTAL DO PARANAPANEMA População (2011) 2.012.080 1.118.164 5.140.157 19.655.679 1.679.243 1.865.578 1.492.045 1.242.413 758.238 449.452 480.719
www.saudeesustentabilidade.org.br
25
As UGRHIs que possuem estação de monitoramento estão descritas no Mapa abaixo. Os municípios que compõem cada UGRHI estão descritos no anexo.
Figura 5 - UGRHIs com estações de monitoramento da CETESB
Dados do Estado de São Paulo - são apresentados sob 2 formas:  Estado como um todo, considerando-se a média anual de MP2,5 de todas as estações e os dados demográficos para todo o Estado, população, internações e mortes, ou  Dados relacionados às 11 regiões UGRHIs com estações automáticas da CETESB, considerando-se a média anual de MP2,5 de todas as estações (exatamente igual para o item anterior) e os dados demográficos restritos do ponto de vista geográfico, população, internações e mortes relacionados aos municípios das 11 UGRHIs. Analisando-se os resultados finais dentre ambos, observa-se que não há grandes diferenças, dado o fato das diferenças populacionais serem pequenas. Em algumas situações ambos os cálculos são apresentados.
www.saudeesustentabilidade.org.br
26
2.2. CÁLCULO EPIDEMIOLÓGICO
Cálculo epidemiológico de Saúde: morbimortalidade
Dada uma determinada alteração ambiental dos poluentes acima dos limites internacionalmente aceitos de segurança, espera-se o malefício em saúde revelado epidemiologicamente por mortes e adoecimento (configurado como internações hospitalares). Para a realização de pesquisas, apenas alguns dados são disponíveis em sistemas, justamente os de maior gravidade.
2.2.1 A carga global de doenças (método DALY)
O DALY, ou Disability Adjusted Life Years, é um método desenvolvido pela Organização Mundial de Saúde em conjunto com a Universidade de Harvard para mensurar a carga de doenças em populações (MURRAY & LOPEZ, 1996). O DALY é uma métrica que conjuga, em uma única mesma medida, a mortalidade prematura (YLL) e a prevalência de doenças (YLD): DALY = YLL + YLD (1)
O YLL, que corresponde aos anos de vida perdidos por morte prematura, é tradicionalmente calculado como o total de mortes em cada grupo etário multiplicado pela esperança de vida no mesmo grupo etário:
YLL x  M x * e * x
(2)
Onde:
YLL x
Mx e* x
= anos de vida perdidos na idade x, ou Year of Life Lost, na sigla em inglês,
= número total de mortes no grupo etário x,
= esperança de vida padrão no grupo etário x. A esperança de vida padrão
corresponde ao nível 26, do modelo Oeste das tábuas de vida modelo, em que a
www.saudeesustentabilidade.org.br
27
esperança de vida feminina é de 82,5 anos, correspondente à esperança de vida mais alta encontrada até hoje, que representa a esperança de vida feminina do Japão. A soma de todos os YLL em cada grupo etário corresponde, então, ao total de anos de vida perdidos prematuramente. O YLD, sigla que significa Years Lived witht Disabilibity, corresponde aos anos vividos com incapacidade, e é calculada pela seguinte fórmula segundo o estudo da Global Burden of Disease (MURRAY& LOPEZ, 1996):
YLD x  I x * PI x * t x
(3)
Onde:
Ix
= número de casos de doenças (incidência ou prevalência) no grupo etário x, = peso da incapacidade no grupo etário x,
PI x
tx
= duração média da incapacidade no grupo etário x
O DALY corresponde a uma medida síntese da saúde da população, e mostra o hiato em termos de morte e doenças em relação a um padrão ideal de saúde. Por este motivo se usa a mesma esperança de vida em todos os estudos, correspondente a esperança de vida mais alta alcançada no mundo (Mathers et al, 2001). Ele representa uma medida absoluta de perda de saúde, ao contabilizar quantos anos de vida saudável são perdidos em termos de morte prematura e doenças não fatais ou incapacidade. Por ser uma medida síntese, o DALY pode ser usado para comparar populações e analisar as tendências em saúde ao longo do tempo. Além disso, ele pode ser usado também para analisar quais as doenças mais representativas para a carga global de doenças em uma população. Em conjunto com medidas do custo das doenças, serve como insumo para ajudar gestores dos serviços de saúde, pesquisadores e a própria sociedade a entender melhor quais os principais problemas de saúde que afetam a população e sua evolução (MURRAY , 2012).
www.saudeesustentabilidade.org.br
28
2.2.2 A carga de doenças ambiental
Além de ser calculado para grupos de doenças, o método DALY pode ser desenvolvido para medir a carga de doenças relacionada a algum evento específico, como a poluição atmosférica (COHEN., 2002; OSTRO, 2004). Neste caso, a forma de cálculo do DALY é feita exatamente como nas equações (2) e (3), com a exceção de que as mortes seriam as mortes atribuíveis ao desfecho analisado (poluição atmosférica) e não a mortes totais. Sendo assim, antes que os componentes do DALY sejam calculados, é necessário encontrar qual o número de mortes atribuíveis à poluição atmosférica. Para o cálculo do numero de mortes atribuíveis à poluição, é necessário ter o risco relativo (RR) de morte pelos agentes poluidores. O risco relativo é encontrado a partir de técnicas de regressão que conjugam informações sobre poluição atmosférica no curto ou longo prazo e acompanhamento longitudinal da população para verificar se existe uma relação estatística entre picos de poluição e picos de morte (DOCKERY, 1993; POPE et al., 1995; KREWSKI et al., 2000; POPE et al., 2002). Alguns trabalhos também fazem isso por meio de séries temporais (KATSOUYANNI et al., 2001; DOMINICI et al., 2002; RAMSAY et al., 2003). A mortalidade excessiva é analisada, nesses estudos, a alguma variação de poluição, geralmente 10 μg/ m³ de material particulado MP10 ou MP2,5 (OSTRO, 2006). O risco relativo é, então, calculado para cada desfecho de doença analisado. A partir do risco relativo encontrado nesses estudos, aplica-se a seguinte equação para encontrar o número de mortes (M) ou doenças (I) atribuíveis à poluição atmosférica (Ostro, 2006):
Y atrib  RR * PM 2 , 5 * Y * 0,1
(5)
Onde:
Y atrib = número esperado de eventos de saúde atribuíveis à poluição atmosférica
(mortes e incidência ou prevalência de doenças), RR= risco relativo (calculado por estudos epidemiológicos, para a variação no material particulado). Neste estudo estamos tratando do MP2,5,
www.saudeesustentabilidade.org.br
29
PM 2 , 5
= variação absoluta na concentração de MP2,5 em relação ao nível de referência
especificado (no caso deste estudo, corresponde a 10 μg/m³, de acordo com o recomendado pela OMS). Para que a variação possa ser colocada em números absolutos, multiplica-se a fórmula por 0,1, que corresponde à divisão por 10.
Y = número total de eventos de saúde (mortes ou doenças).
Depois do cálculo do número de eventos de saúde atribuíveis à poluição, o YLL e o YLD podem ser calculados pelas equações (2) e (3), respectivamente.
2.2.3. Banco de dados e variáveis utilizadas
Para o cálculo do componente de morte prematura do DALY, correspondente à fração YLL, foram selecionadas as doenças que mais possuem relação com a poluição atmosférica, como apontadas na literatura e relatado anteriormente. Os dados de mortalidade foram extraídos do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), disponível no Datasus, entre 2006 e 2011. Não foi feita nenhuma correção para o subregistro de mortes, uma vez que a literatura aponta um grau de cobertura satisfatório para os dados de morte no Estado de São Paulo, o que permite a utilização dos dados de mortalidade diretamente, sem qualquer correção (IBGE, 2009). A tabela abaixo apresenta as doenças selecionadas, além dos riscos relativos (fatores/parâmetros) a partir de estudos que estimam a relação entre cada tipo de doença e a variação de MP2,5.
Tabela 5 - Mortalidade por doenças e grupos etários selecionados, e os respectivos riscos relativos utilizados no cálculo do YLL
Grupo CID-10
1) Doenças cardiovasculares
Grupo etário
RR
- Doença isquêmica do coração Maior de 40 anos 0,09 - Doença cerebrovascular
www.saudeesustentabilidade.org.br
30
2)
Neoplasias malignas Maior de 40 anos 0,14
- Tumores malignos do trato respiratório e cavidade intratorácica 3) Doenças respiratórias
- Doenças crônicas das vias aéreas inferiores Maior de 60 anos 0,09 - Pneumonia e influenza - Pneumonia, influenza e outras infecções agudas das vias aéreas inferiores 4) Todas as causas (capítulos I a XVI da CID-10) Fonte: SIM/Datasus; POPE & DOCKERY (2006). Menor de 5 anos Todos 0,09 0,06
Para o cálculo do YLD, foram selecionados dados sobre incidência de doenças a partir dos dados sobre internações hospitalares da rede pública de saúde, por meio do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS). Segundo informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008, cerca de 58% das internações no Estado de São Paulo ocorreram na rede pública de saúde2. A duração da doença foi calculada com base no tempo médio de internação, o que significa que está subestimada, uma vez que a duração da doença não se restringe ao tempo hospitalizado. No entanto, na ausência de informações sobre a duração média da doença, essa variável é a mais plausível. Com isso, o tempo vivido com incapacidade corresponde ao tempo vivido acamado. O peso da incapacidade é calculado pelo estudo da Carga Global de Doenças (GBD) da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2010 (SALOMON, 2012). Isso representa uma grande contribuição ao estudo da carga de doenças no Brasil, que originalmente utilizou os pesos de 1990 para o estudo feito pela Fiocruz em 1998. Para aquelas doenças que possuíam pesos de incapacidade para estados mais graves, menos graves e moderados, foi calculada uma média dos pesos. A tabela abaixo apresenta as doenças selecionadas para o cálculo do YLD, bem como o risco relativo e o peso de incapacidade.
2
Não foi possível calcular a morbidade a partir de dados de prevalência pela indisponibilidade de informações de base populacional.
www.saudeesustentabilidade.org.br
31
Tabela 6 - Internações por doenças e grupos etários selecionados, e os respectivos pesos de incapacidade e coeficientes utilizados no cálculo do YLD
Grupo CID-10
1) Doenças cardiovasculares
Grupo etário
RR
Fonte
Peso de incapacidade*
Infarto cerebral Acid vascular cerebral não espec hemorrágico ou isquemêmico Hemorragia intracraniana Infarto agudo do miocárdio Outras doenças isquêmicas do coração
2) Neoplasias malignas
Maior de 40 anos 0,18
POPE, 2004
0,218
Neoplasia maligna de traquéia brônquios e Maior de 40 anos pulmões
3) Doenças respiratórias
0,4
NIELSON et al., 2013
0,451
Bronquite, enfisema e outras doenças pulmonares obstrutivas crônicas Asma Pneumonia Pneumonia
Maior de 60 anos 0,31
CANÇADO et al., Asma e bronquite=0,056 2006 Pneumonia=0,089
Menor de 5 anos 0,214
CANÇADO et al., 2006
0,089
Fonte: SIH/Datasus | * Salomon et al (2010).
2.2.4 Internações do setor privado
Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008, cerca de 26% da população brasileira tem acesso a planos de saúde. Considerando as Unidades da Federação, a maior cobertura é observada para o Estado de São Paulo, com aproximadamente 40% da população coberta. Sendo assim, considerar apenas as internações públicas subestimaria o cálculo epidemiológico para o Estado. No entanto, estão indisponíveis informações sobre utilização de serviços e morbidade por doença no banco de dados público da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o que fez com que houvesse necessidade do cálculo de uma proxy para as internações da rede suplementar.
www.saudeesustentabilidade.org.br
32
Para o cálculo do número de internações no setor de saúde suplementar, o primeiro passo foi multiplicar a taxa de cobertura de planos de saúde pela população do Estado de São Paulo:
Pop x
saude _ sup l
 Tx _ cob x * Pop x
(6)
Onde:
Pop saude _ sup l = número de pessoas cobertas por plano de saúde no grupo etário x,
Tx _ cob x Pop x
= taxa de cobertura de planos de saúde no grupo etário x,
= População total no grupo etário x, As informações por grupo etário são quinquenais. A taxa de cobertura
populacional de planos de saúde por grupo etário foi obtida no ANS tabnet, do Datasus, para cada ano, de 2006 a 2011, e a população total em cada período e cada ano foi extraída do Censo Demográfico (para 2010) e estimativas populacionais do IBGE. A partir do cálculo do número de pessoas com plano de saúde, foi necessário calcular a taxa de internação por grupo etário, a fim de identificar o número esperado de pessoas da rede suplementar que foram internadas, em cada grupo etário. Para isso, a população encontrada na equação (6) foi multiplicada pela taxa de internação por grupo etário:
saude _ sup l Int x  Pop x saude _ sup l _ sup l * Tx _ int saude x
(7)
A taxa de internação por grupo etário na saúde suplementar foi obtida da ANS, do Painel de Precificação de Planos de Saúde de 2012. Foi adotada como suposição que a taxa de internação de 2006 a 2011 na saúde suplementar, por grupo etário, fosse igual à taxa observada na PNAD de 2008. Essa suposição foi adotada em função da indisponibilidade desse tipo de informação na rede suplementar, desagregado por grupos etários. A fim de separar o número total de internações por grupo etário segundo grupos de causa listados na Tabela 6, adotou-se como suposição que a distribuição das internações do setor privado por tipo de doença seria igual àquela observada para as internações públicas:
saude _ sup l saude _ sup l SUS Int x  Int x * % Int x ,z ,z
(8)
Onde:
www.saudeesustentabilidade.org.br
33
saude _ sup l Int x ,z
= número de internações na saúde suplementar no grupo etário x e causa z
(TAB. 7),
saude _ sup l Int x
= número de internações na rede suplementar no grupo etário x, como
calculado em (7),
SUS % Int x ,z
= percentual de internações do SUS no grupo etário x e causa z (TAB. 7),
Com essas informações, foi possível calcular os anos vividos com incapacidade – YLD - como descrito na equação (3). O tempo de internação para cada causa em cada grupo etário na rede suplementar foi considerado equivalente àquele encontrado para as internações públicas.
2.3 CÁLCULO DE VALORAÇÃO ECONÔMICA
Análise de custos A valoração econômica refere-se ao cálculo monetário do efeito das alterações das medidas ambientais sobre a morbimortalidade. Foram realizados dois tipos de cálculo: a valoração econômica em saúde, a partir do Valor de Vida Estatístico, e os custos diretos associados à internação nas redes pública e privada.
2.3.1 Valoração econômica em saúde
A valoração econômica em saúde partiu do cálculo do DALY para transformar os anos de vida ajustados por incapacidade em custo econômico da poluição atmosférica. Para isso, foi usado o VVE ou Valor de Vida Estatístico, uma medida econômica utilizada em análises de custo benefício. (VISCUSI & ALDY, 2002; VISCUSI, 2011) Quando se faz a avaliação de uma política de saúde, por exemplo, é necessário estimar tanto os custos diretos envolvidos quanto os custos valorados pela sociedade por uma vida salva. O VVE corresponde, então, a um valor de compensação por vida salva. Ele pode ser calculado por meio de equações salariais, quando a política em questão envolve um bem de mercado, ou por meio de valoração contingente. No primeiro caso, seria o valor que compensaria o risco de morte no trabalho, por
www.saudeesustentabilidade.org.br
34
exemplo, para medir o custo do risco ocupacional. No segundo caso, seria uma técnica para avaliação de recursos que não são de mercado, como o meio ambiente. O cálculo do VVE por meio da valoração contingente é feito através de pesquisas, surveys, que perguntam o quanto as pessoas estariam dispostas a pagar para manter a existência de um determinado recurso ou serem compensadas pela perda desse recurso. No presente trabalho, o VVE corresponde ao valor que a sociedade dá para o risco de morte por poluição atmosférica. O valor do VVE utilizado corresponde ao valor de US$ 7,4 milhões (em US$ de 2006), como recomendado pela Environmental Protection Agency (EPA, 2013). Para a valoração econômica da perda de saúde e vida atribuível à poluição atmosférica, então, utiliza-se a seguinte fórmula:
Valoração atrib  VVE
pol
* DALY
atrib
Onde:
Valoração
VVE
pol
atrib
= valoração econômica em saúde atribuível à poluição atmosférica,
= Valor de Vida Estatístico atribuível à poluição, = DALY atribuível à poluição para doenças selecionadas, como discutido na
DALY
atrib
seção 3.2.3.
2.3.2 Custo direto da morbidade
O custo direto da morbidade foi mensurado a partir do valor médio da internação, para cada causa de morte e grupo etário, multiplicado pelo número de internações atribuíveis, também por causa e grupo etário:
z atrib , z CT atrib  CMe x *Ix
Onde:
CT
atrib
 custo total das internações atribuíveis à poluição atmosférica
z CMe x 
custo médio da internação no grupo etário x pela causa z, que é dado pela
variável valor médio da internação da rede pública e privada,
www.saudeesustentabilidade.org.br
35
atrib , z Ix
= número de internações atribuíveis à poluição atmosférica no grupo etário x pela
causa z As informações sobre o valor médio da internação por grupo de causa da rede pública foram obtidas do próprio Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS). Para as internações na rede suplementar, foram utilizadas as informações do Painel de Precificação de Planos de Saúde de 2012, por grupo etário. Na indisponibilidade de informações desagregadas por grupos de causa, adotou-se como hipótese que o valor médio seria igual para todos os grupos de causas. O gasto público ou privado aqui calculado é uma medida direta e real, baseado no número de internações por doenças descritas relacionadas à poluição.
3. RESULTADOS
3.1 RESULTADOS AMBIENTAIS
Os dados resumidos encontram-se na Tabela 7: Estações automáticas e fixas, Representatividade, Número de observações no ano, Média anual de MP2,5 e Medida máxima de MP2,5 no ano, para os anos 2006 a 2011.
www.saudeesustentabilidade.org.br
36
Tabela 7 - Estações, Número de observações, Médias anuais de MP2,5 das estações automáticas por ano, Medida máxima de MP2,5 no ano,2006 a 2011
2006 Número de observações Número de observações 2007 Número de observações 2008 Número de observações 2009 Número de observações 2010 Número de observações 2011
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Estação
Americana Araçatuba Araraquara Bauru Cambuci Campinas - Centro Catanduva Centro Cerqueira César Congonhas Cubatão - Centro Cubatão - Vale do Mogi Cubatão - Vila Parisi Diadema Guarulhos
-
-
70,22 49,52 42,95 58,79 80,83 66,31 98,02 65,96 88,63
-
-
76,18 77,22 68,45 70,34 55,65 90,79
-
-
42,46 51,95 61,54 39,78 72,98 79,71 70,34 65,31 73,91
84
19,00
45,87 46,33 49,18 46,10 34,52 50,70 55,01 41,91 54,19 42,15 93,89 43,54 56,60
286 26,35 57 10,38 352 21,44 359 19,86 364 19,67 361 23,62 27 21,97 360 17,50 333 22,67 360 20,19 359 52,60 363 21,24 -
409,20 361 22,16 32,00 68,90 68,35 52,60 89,95 33,53 65,73 73,55 81,15 245 28,76 363 20,65 361 20,70 340 19,94 298 20,64 346 18,85 362 23,48 355 22,72
59,52 70,58 89,77 72,94 50,22 67,06 60,82 67,07 51,19 135,49 120,72 58,06 -
127 17,71 174 24,09 237 21,38 91 22,41 359 20,93 366 26,97 360 22,56 354 26,64 364 19,35
347 15,59 365 17,42 365 15,75 365 17,87 254 21,73 349 25,60 357 15,62 325 23,34 360 17,53
359 23,44 352 22,35 98 21,56
356 27,50 359 23,00 361 26,97 351 23,55 325 27,38 353 21,92 232 64,76 364 23,21 216 32,46
348 21,64 257 30,50 346 21,73 163 58,73 359 30,78 346 20,91 135 41,17
115,97 261 59,19 172,18 366 31,91 58,25 77,02 356 21,97 269 30,95
100,57 342 40,67 154,35 359 28,79 57,00 361 18,59 115,92 154 25,45
104,75 348 37,52
517,80 365 59,11 433,80 346 36,91 66,83 365 21,34 -
167,53 272 34,56
www.saudeesustentabilidade.org.br
Máximo anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
37
2006 Número de observações Número de observações
2007 Número de observações
2008 Número de observações
2009 Número de observações
2010 Número de observações
2011
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Estação
IAG - USP Ibirapuera IPEN - USP Itaquera Jacareí Jaú Jundiaí Marília Mauá Moóca N. Sra. do Ó Osasco P. D. Pedro II Parelheiros Paulínia Paulínia Sul Pinheiros
341 194 351 89 365 364 356 204 365
22,92 19,44 20,11 20,64 21,01 27,11 24,34 21,85 24,28
70,05 46,14 56,23 38,14 56,09 72,38 94,37 49,40 86,43
141 364 179 161 266 275 347 247 365 193 179 117
20,92 22,73 23,05 19,44 24,22 26,28 21,44 24,88 24,73 31,30 25,73 20,80
59,99 70,77 73,68 47,09 67,74 69,22 45,79 54,64 71,37 86,73 55,82 52,52
365 342 98 68 241 140 351 344 349 267 340 354 59 190
19,84 18,46 15,00 13,84 14,93 22,45 21,67 20,62 28,67 22,98 25,53 19,97 35,97 32,07
-
-
-
40,49 51,63 48,22 39,27 51,75 67,53 45,28 36,90 74,31 53,03 39,52 51,34 51,92
-
-
99,13 50,29 59,63 64,28 52,40 103,33 73,73 69,25 87,90 88,64 92,45 75,60 88,20 55,83
363 115 262 343 360 357 363 365 365 341 351 330 364 329 167
22,12 21,10 15,33 21,06 18,74 13,96 22,41 19,90 23,06 30,03 22,96 23,65 21,09 28,69 22,45
60,90 357 15,37 59,30 217 19,63 41,64 357 15,29 28,59 365 14,69 42,04 325 12,75 66,87 329 19,14 57,44 364 18,96 55,64 362 17,70 78,08 261 24,41 64,87 345 20,46 84,84 359 24,69 60,06 344 16,41 95,10 305 21,60 78,25 136 20,22
349 22,67 213 18,51 365 18,49 356 18,13 365 14,21 355 25,41 290 21,25 323 19,91 363 28,85 297 19,24 366 20,58 342 27,62 101 17,47
75,96 55,22 43,53 60,14 66,45 43,63 56,87 58,87 56,96 91,08 78,36 77,23 64,33 71,22 51,47
112,01 364 26,52
www.saudeesustentabilidade.org.br
Máximo anual
-
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
38
2006 Número de observações Número de observações
2007 Número de observações
2008 Número de observações
2009 Número de observações
2010 Número de observações
2011
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Máximo anual
Estação
Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto Santana Santo Amaro S. André - Capuava S. André - Centro S. André - Paço Municipal Santos S. B. do Campo S. C. do Sul S. J. do Rio Preto S. J. dos Campos Sorocaba Taboão da Serra Tatuí
178 350 365 364 365 354 349 353 268 330 -
12,61 20,34 24,85 19,18 20,68 22,43 23,44 15,55 19,29 21,69 -
-
-
-
101,62 74,20 86,11 43,27 65,51 105,39 63,75 53,40 52,92 92,04 -
122 230 309 320 360 358 366 170 183 347 329 134 -
20,66 13,93 22,32 23,14 21,05 17,92 26,71 22,70 26,97 13,58 21,44 23,24 -
60,54 33,82 73,36 61,93 73,93 44,51 79,25 69,67 54,19 37,31 56,97 75,30 -
360 362 359 354 359 353 191 364 345 365 355 329 337 -
18,40 9,56 17,25 21,47 17,71 15,88 25,32 22,77 18,29 16,98 12,44 16,86 22,65 -
46,00 24,79 58,80 60,63 54,70 35,01 56,78 62,66 47,78 51,39 33,90 49,90 61,98 -
359 311 350 363 41 322 328 365 315 328 359 365 351 -
22,66 14,36 21,67 24,09 15,40 19,14 26,66 24,05 23,38 24,84 14,25 18,85 23,70 -
76,25 60,80 63,25 89,29 26,40 56,78 91,46 84,60 80,93 82,33 50,43 58,48 82,63 -
351 331 343 353 354 80 204 277 365 328 355 357 365 346
22,02 13,39 19,44 23,61 21,47 20,27 23,89 24,19 23,23 23,41 15,27 20,20 22,52 15,55
67,69 39,34 77,63 65,52 44,68 42,03 59,80 65,25 72,65 70,78 38,26 69,45 85,86 53,98
36,89 165 30,40 49,38 225 24,85 90,41 352 21,88 48,36 359 20,87 78,71 270 20,72 -
82,32 336 31,64 76,56 206 23,30 47,37 365 15,80 55,17 363 19,90 63,45 8 53,25 -
Não representativo
Representativo
www.saudeesustentabilidade.org.br
Máximo anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
Média anual
39
As células em branco significam que não havia estação. O número de observações significa o número de dias de medidas válidas. Foram consideradas todas as medidas, representativas ou não, com ocorrências registradas, como por exemplo, obras de construção civil, pois se considerou que são situações cotidianas que representam a realidade de emissão de poluentes, e que, considerando-se as consequências à saúde humana, objeto do estudo, o poluente foi inalado e o indivíduo exposto. Pode- se observar que as médias anuais de todas as estações para todos os anos situam-se acima do padrão de 10 μg/m³. Os dados da Tabela serão analisados pormenorizadamente ao longo do texto. Iniciando o olhar pelo Estado de São Paulo, considerando-se a média anual de MP2,5 de todas as estações para os anos 2006 a 2011, observa-se um traçado relativamente linear na Figura 6 abaixo.
Figura 6 - Médias anuais de MP2,5 no Estado de São Paulo, anos 2006 a 2011, incluindo dados de Cubatão.
30 25 20 μg/m³ 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
Em 2009, a redução da média de MP deve-se provavelmente a uma condição meteorológica especialmente favorável a dispersão de poluentes, uma precipitação mensal acima da normal climatológica em vários municípios, principalmente nos meses de julho, agosto e setembro. (CETESB 2010)
www.saudeesustentabilidade.org.br
40
Pode-se observar que as médias anuais de MP2,5 de todos os anos situam-se acima do padrão de 10 μg/m³ (representado pela linha contínua cor vermelha)
preconizado pela OMS, basicamente o dobro ou duas vezes e meia o padrão. Mesmo desconsiderando-se a média anual de Cubatão, onde ocorre a maior medida de MP2,5 no Estado, como pode ser observado na Figura 7, a alteração das médias anuais são muito pequenas, configurando o mesma situação acima.
Figura 7 - Médias anuais de MP2,5 no Estado de São Paulo, anos 2006 a 2011, sem os dados de Cubatão.
30 25 20 μg/m³ 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
As Figuras 8, 9, 10, 11 e 12 abaixo retratam o mesmo exposto acima para a cidade de São Paulo, as Regiões Metropolitanas de São Paulo, Campinas, Região ABCD e Baixada Santista. Figura 8 - Médias anuais de MP2,5 no município de São Paulo
30 25 20 μg/m³ 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
www.saudeesustentabilidade.org.br
41
É difícil prever tendências em um tempo de janela curto. Grosso modo, a despeito da maciça renovação da frota e do incentivo do governo e da implementação da inspeção veicular em 2010, o nível de poluição estabilizou-se em patamares elevados. Desde 2006 percebe-se que houve uma estagnação das medidas de poluição na cidade, e que a melhoria tecnológica esgotou sua eficiência. As políticas atuais poderão ajudar a manter os níveis estáveis de poluição, no entanto não resolverão o problema. Acreditamos que apenas um Plano de Mobilidade que privilegie o transporte coletivo de baixa emissão poderá melhorar o quadro atual. No interior do Estado podemos considerar a emissão de MP proveniente de veículos nas cidades, polos industriais e a queima de cana de açúcar em algumas regiões, embora venha ocorrendo a sua diminuição nos últimos anos.
Figura 9 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana de São Paulo.
30 25 20 μg/m³ 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
www.saudeesustentabilidade.org.br
42
Figura 10 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana de Campinas.
30 25 20
μg/m³
15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano
MP2,5 Padrão OMS
Figura 11 - Médias anuais de MP2,5 na Região ABCD.
30 25 20 μg/m³ 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
Para a Baixada Santista, note que as médias anuais ultrapassam 3 a 4 vezes o padrão da OMS, em decorrência dos altos níveis de poluição em Cubatão.
www.saudeesustentabilidade.org.br
43
Figura 12 - Médias anuais de MP2,5 na Região Metropolitana da Baixada Santista.
45 40 35 30 μg/m³ 25 20 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Ano MP2,5 Padrão OMS
Tabela 8 - Média anual de MP2,5 por município, anos 2006 a 2011
Municípios Americana Araçatuba Araraquara Bauru Campinas Catanduva Cubatão Diadema Guarulhos Jacareí Jaú Jundiaí Marília Mauá Osasco Paulínia Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo André Santos São Bernardo do Campo Média PM2,5 2006 22,35 38,73 20,91 41,17 19,44 20,11 27,11 21,85 12,61 19,93 22,43 2007 23,00 38,94 23,21 32,46 19,44 24,22 24,88 25,73 30,40 20,81 31,64 2008 17,71 24,09 21,38 20,93 37,37 21,97 30,95 15,00 13,84 14,93 22,45 28,67 22,26 20,66 13,93 22,32 17,92 26,71 2009 19,00 15,59 17,42 15,75 17,87 21,73 28,99 18,59 25,45 15,29 14,69 12,75 19,14 24,41 18,85 18,40 9,56 17,25 19,19 22,77 2010 26,35 10,38 21,44 19,87 19,68 23,63 36,75 21,24 18,49 18,13 14,22 25,42 28,86 23,99 22,67 14,37 21,67 22,94 24,06 2011 22,16 28,76 20,65 20,70 19,94 20,64 39,79 21,34 15,33 21,06 18,74 13,96 22,41 30,03 24,70 22,02 13,39 19,44 21,25 23,89 24,19
www.saudeesustentabilidade.org.br
44 São Caetano do Sul São José do Rio Preto São José dos Campos São Paulo Sorocaba Taboão da Serra Tatuí 23,44 15,55 23,36 19,29 21,69 23,30 15,80 24,68 19,90 53,25 22,70 26,97 13,58 23,11 21,44 23,24 18,29 16,98 12,44 20,02 16,86 22,64 23,38 24,85 14,25 21,37 18,85 23,70 23,23 23,41 15,27 22,17 20,20 22,52 15,55
Os dados da Tabela 8 estão representados na Figura 13, gráfico em barras. Na Figura 13, sob o prisma das cidades, em 2011, todos os 29 municípios com estações, sem exceção, apresentam média anual de MP2,5 acima do padrão de 10 μg/m³ (representado pela linha contínua cor vermelha) preconizado pela OMS, sendo que 21 delas situam-se acima dos níveis de 20 μg/m³ (representado pela linha contínua cor verde) e 11 municípios estão acima ou igual aos níveis de MP2,5 da cidade de São Paulo (MP2,5 = 22,17 μg/m³), são eles: Americana, Araçatuba, Cubatão, Mauá, Osasco, Paulínia, Santos, São Bernardo, São Caetano, São José do Rio Preto e Taboão da Serra . Guarulhos não está representado no gráfico porque não teve medição de poluentes em 2011 – em 2009, último ano de sua medida, apresentou média de MP2,5 = 25,5 μg/m³)
www.saudeesustentabilidade.org.br
45
Figura 13 - Médias anuais de MP2,5 por município em 2011
45 40 35 30 μg/m³ 25 20 15 10 5 0
Americana Araçatuba Araraquara Bauru Campinas Catanduva Cubatão Diadema Guarulhos (2009) Jacareí Jaú Jundiaí Marília Mauá Osasco Paulínia Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo André Santos São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São José do Rio Preto São José dos Campos São Paulo Sorocaba Taboão da Serra Tatuí
MP2,5 Padrão OMS
Embora a poluição tenha sido uma prerrogativa da RM de São Paulo e Cubatão, hoje esta realidade se expande também para o interior, perdendo a imagem do ”ar limpo”. Pode-se assim demonstrar que a bacia aérea tem uma abrangência geográfica maior que a hídrica, os poluentes podem se dispersar mais facilmente.
www.saudeesustentabilidade.org.br
46
Figura 14 - Média MP2,5 por ordem decrescente dos municípios
Cubatão Osasco Araçatuba Guarulhos (2009) Paulínia São Bernardo do Campo Santos São José do Rio Preto São Caetano do Sul Taboão da Serra Mauá São Paulo Americana Piracicaba Diadema Santo André Jaú Bauru Araraquara Catanduva Sorocaba Campinas Ribeirão Preto Jundiaí Tatuí Jacareí São José dos Campos Marília Presidente Prudente 0 10 20 30 40 50
Média PM2,5
As seis cidades mais poluídas em 2011, em ordem decrescente, são Cubatão, Osasco, Araçatuba, Paulínia, São Bernardo e Santos. Em 2009, Guarulhos entraria no ranking. A Figura 15 mostra as médias anuais e as medidas máximas de MP2,5 em 2011. As piores medidas máximas, em ordem decrescente, ocorreram em Cubatão, Osasco, Taboão da Serra, Araraquara, São Paulo, Ribeirão Preto, Sorocaba e Araçatuba.
www.saudeesustentabilidade.org.br
47
Figura 15 - Médias e máximas por município
Tatuí Taboão da Serra Sorocaba São Paulo São José dos Campos São José do Rio Preto São Caetano do Sul São Bernardo do Campo Santos Santo André Ribeirão Preto Presidente Prudente Piracicaba Paulínia Osasco Mauá Marília Jundiaí Jaú Jacareí Guarulhos Diadema Cubatão Catanduva Campinas Bauru Araraquara Araçatuba Americana
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 150
Máximo Média
μg/m³
As medidas máximas diárias observadas para os municípios representam, no ano de 2011, valores entre 40 e 140 μg/m³, considerando o padrão de 24hs para MP2,5 de 25 μg/m³. Se considerarmos uma medida máxima, por exemplo, de 100 μg/m³ em um dia, significa que o morador desta cidade respirou 4 vezes mais a dose considerada segura naquele dia, ou a dose possível para 4 dias. No caso de medidas diárias, temos os efeitos agudos da poluição. Quando tratamos de média anual, estamos sempre tratando dos efeitos crônicos ou de longo prazo da poluição, objeto deste trabalho.
www.saudeesustentabilidade.org.br
48
Figura 16 - Média de MP 2,5 de 2006 a 2011 de cada município
45 40 35 30 25 20 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Padrão OMS
35 30 25 20 15 10 5 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Padrão OMS
www.saudeesustentabilidade.org.br
49
60 50 40 30 20 10 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Padrão OMS
Observa-se uma mesma tendência, ano a ano, similar nos munícipios.
Figura 17 - Municípios do Estado de São Paulo: Densidade demográfica e Média anual de MP 2,5
Quanto maiores os diâmetros dos círculos maior é a concentração de MP2,5 e quanto mais intensa é a cor azul maior é a densidade demográfica dos municípios.
www.saudeesustentabilidade.org.br
50
O mapa clarifica que as estações estão localizadas em municípios com maior densidade demográfica, embora haja vários municípios com alta densidade não monitorados. Como pode ser visto, há uma relação direta entre poluição e densidade populacional. Como a maior parte do material particulado MP2,5 é proveniente de veículos, e como onde há maior densidade populacional há também maior número de automóveis, isso explicaria essa relação. Estudos da NASA também já comprovaram a relação direta entre densidade demográfica e MP2,5 e Ozônio (Cooper et al, 2012). Na porção sudoeste do estado, representada pelos municípios da Região Metropolitana de São Paulo, da região de Campinas, do entorno de Piracicaba, de Sorocaba e mesmo da Baixada Santista verificamos que se encontram as maiores densidades populacionais do grupo acima de 147 hab/km² que apresentam médias MP2,5 acima de 22 μg/ m³. Ao mesmo tempo, na porção norte do estado, os municípios de Araçatuba e São José do Rio Preto acompanham esta tendência.
Tabela 9 - Média anual de MP2,5 por Regiões metropolitanas, anos 2006 a 2011
Região Metropolitana Aglomerado Urbano de Jundiaí Aglomerado Urbano de Piracicaba Micro de Sorocaba Região ABCD RM Baixada Santista RM Campinas RM São Paulo RM Vale do Paraíba e Litoral Norte Média PM2,5 2008 2009 13,84 14,69 20,66 18,40 21,44 16,86 22,3 19,67 37,37 28,99 21,64 18,54 23,59 20,33 13,58 12,44
2006 19,44 19,29 21,31 38,73 22,17 23,11 15,55
2007 19,44 19,90 24,08 38,94 23,91 24,83 15,80
2010 18,13 22,67 18,85 22,9 36,75 23,33 22,67 14,25
2011 18,74 22,02 20,20 22,34 37,23 22,88 22,68 15,30
www.saudeesustentabilidade.org.br
51
Figura 18 - Médias anuais de MP2,5 por RM em 2011
40 35 30 25 MP2,5 Padrão OMS
μg/m³
20 15 10 5 0
Observa-se que as regiões metropolitanas apresentam médias anuais muito similares, com exceção de Baixada Santista e Litoral Norte. Isto mostra que todas as RM estão comprometidas da mesma forma.
www.saudeesustentabilidade.org.br
52
Figura 19 - Gráfico em barras dos valores das médias MP2,5 por RM , ano a ano, 2006 a 2011
45 40 35 30 25 20 15 10 5 0
2006 2007 2008 2009 2010 2011
μg/m³ 45 40 35 30
Além de serem extremamente similares, todas as regiões metropolitanas do Estado de São Paulo, apresentam, durante o período de 6 anos, o mesmo padrão de comportamento, inclusive das médias anuais. Figura 20 - Gráfico em curvas dos valores das médias MP2,5 por RM , ano a ano, 2006 a 2011
Aglomerado Urbano de Jundiaí Aglomerado Urbano de Piracicaba Micro de Sorocaba Região ABCD μg/m³ 25 RM Baixada Santista 20 15 10 5 0 2006 RM Campinas RM São Paulo RM Vale do Paraíba e Litoral Norte 2007 2008 2009 2010 2011
www.saudeesustentabilidade.org.br
53
A análise do gráfico revela que apenas uma das curvas não segue o comportamento padrão de queda das regiões metropolitanas para o ano de 2008. Os dados revelam que, de 2007 para 2008, a única região metropolitana a apresentar aumento nas concentrações de MP2,5 foi a Microrregião de Sorocaba. Uma análise mais apurada mostra que tal comportamento se deveu ao aumento da poluição na estação de Sorocaba para o mesmo ano, única estação desta microrregião. Após exame do relatório sobre qualidade do ar da CETESB (2009), constatou-se que as medidas da estação em 2008 foram representativas, sem o registro de nenhuma ocorrência que permitisse formular hipóteses acerca do aumento da concentração de MP2,5 em Sorocaba. Tabela 10 - Médias anuais de MP2,5 por UGRHI, ano a ano
UGRHI Alto Tietê Baixada Santista Baixo Tietê Paraíba do Sul Pardo Peixe Piracicaba/Capivari/Jundiaí Pontal do Paranapanema Sorocaba/Médio Tietê Tietê/Jacaré Turvo/Grande Média PM2,5 2008 2009 23,59 20,33 37,37 28,99 17,71 15,59 13,58 12,44 22,32 17,25 14,93 12,75 20,96 17,74 13,93 9,56 21,44 16,86 21,08 16,16 26,97 18,93
2006 23,11 38,73 15,55 12,61 21,46 19,29
2007 24,83 38,94 15,80 30,40 22,88 19,90
2010 22,67 36,75 10,38 14,25 21,67 14,22 22,32 14,37 18,85 19,92 24,21
2011 22,73 37,23 28,76 15,30 19,44 13,96 22,03 13,39 17,91 20,80 22,09
www.saudeesustentabilidade.org.br
54
Figura 21 - Gráfico em barras dos valores das médias MP 2,5 por UGRHI, ano a ano, 2006 a 2011
45 40 35 30 25 20 15 10 5 0
2006 2007 2008 2009 2010
μg/m³
Figura 22 - Distribuição de Médias de MP2,5 por UGRHI no Estado de São Paulo
Os valores mais elevados das médias anuais de MP2.5 se concentram nas UGRHI da Baixada Santista e do Alto Tietê (no sudeste do estado), assim como nas do Baixo Tietê e do Turvo Grande (no norte do estado), todas elas superando os 22 μg/ m³.
www.saudeesustentabilidade.org.br
55
Figura 23 - Média de MP2,5 x População por UGRHI
O mapa representa o produto da relação entre a população total e média de MP2,5 por UGRHI,como uma análise de risco populacional, o que contribui para medidas controladoras. Quanto mais intenso o vermelho, mais forte é a relação, e quanto mais amarelo claro, mais fraca é a relação. A UGRHI do Alto Tietê (6) e do Piracicaba/Capivarí/Jundiaí (5) apresentaram as relações mais fortes.
3.2 RESULTADOS EPIDEMIOLÓGICOS
3.2.1 Mortalidade atribuível
A mortalidade atribuível à poluição foi calculada para municípios, Regiões Metropolitanas e para o Estado de São Paulo, como pode ser visto na tabela 11, para o ano de 2011.
www.saudeesustentabilidade.org.br
56
Tabela 11 - Mortes atribuíveis à poluição nos municípios
Município Americana Araçatuba Araraquara Bauru Campinas Catanduva Cubatão Diadema Jacareí Jaú Jundiaí Marília Mauá Osasco Paulínia Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo André Santos São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São José do Rio Preto São José dos Campos São Paulo Sorocaba Taboão da Serra Tatuí Mortes atribuíveis à poluição (2011) 89 110 94 141 350 52 99 115 31 51 123 30 140 428 29 137 25 191 302 301 300 106 213 83 4655 186 86 23
    
Região metropolitana de São Paulo: 7.932 Região Metropolitana de Campinas: 1.082 Baixada Santista: 1.809 Região ABCD: 816 UF: 17.443 (14.608 apenas para as regiões UGRHIs com medida de poluente no Estado) Morre na cidade de São Paulo o triplo de pessoas por poluição do que acidentes
de trânsito (1.556), 3 vezes e meia do que Câncer de mama (1.277), quase 6 vezes por AIDS (874) ou Câncer de Próstata (828).
www.saudeesustentabilidade.org.br
57
Morre por poluição na cidade de São Paulo o triplo de pessoas do que por acidentes de trânsito (1.556), 3 vezes e meia mais do que Câncer de mama (1.277), quase 6 vezes mais do que por AIDS (874) ou Câncer de Próstata (828). No Estado de São Paulo, morrem mais que o dobro de pessoas por poluição do que por acidentes de trânsito (7.867), quase 5 vezes mais do que Câncer de mama (3.620), quase 6,5 vezes mais que por AIDS (2.922) ou Câncer de Próstata (2.753). Se considerarmos as mortes atribuíveis no Estado de SP para todos os anos do estudo 2006 a 2011, a partir da publicação do Guia da OMS com os novos padrões de poluição a serem seguidos, temos 99.084 mortes, o que equivale a dizer uma cidade de 100 mil habitantes dizimada em seis anos.
Figura 24 - Taxa de mortalidade por poluição (Mortalidade atribuível à poluição e população total do município) - 2011
Os níveis de cores mais escuras representam os municípios com maior risco de morte pela poluição: aqueles com os maiores níveis de MP2,5 são também os que possuem o maior risco de morte como, por exemplo, Cubatão (na Baixada Santista),
www.saudeesustentabilidade.org.br
58
Osasco, Araçatuba, São José do Rio Preto, Catanduva, Araraquara, São Paulo e Piracicaba.
3.2.2 Internações
A tabela 12 apresenta o número de internações na rede pública de saúde, atribuíveis à concentração de PM2,5, para municípios com estações, Regiões Metropolitanas, UGRHI e Estado de São Paulo no ano de 2011, segundo causas de internação. Para o Estado de São Paulo como um todo, contabiliza-se um total de 68.499 internações públicas atribuíveis à poluição, o que corresponde a cerca de 32% de todas as internações pelas causas listadas no ano de 2011.
www.saudeesustentabilidade.org.br
59
Tabela 12 - Internações públicas por doenças específicas atribuíveis a poluição por município, Regiões metropolitanas, UGRHI e UF SP - 2011
Internações (2011) Local Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança Americana 12 106 84 46 Araçatuba 35 159 122 102 Araraquara 18 71 93 23 Bauru 20 137 181 40 Campinas 19 352 372 144 Catanduva 8 85 91 22 Cubatão 24 139 115 73 Diadema 16 167 199 248 Jacareí 5 68 54 40 Jaú 15 70 106 74 Jundiaí 8 137 227 33 Marília 3 36 51 19 Mauá 18 196 128 80 Osasco 38 502 330 396 Paulínia 4 54 47 26 Piracicaba 39 149 125 135 Presidente Prudente 3 39 39 29 Ribeirão Preto 53 283 229 73 Santo André 40 278 331 158 Santos 32 244 195 136 São Bernardo do Campo 60 471 355 239 São Caetano do Sul 4 127 174 47 São José do Rio Preto 31 469 552 244 São José dos Campos 16 142 133 92 São Paulo 481 5.411 3.992 5.181 Sorocaba 29 181 252 316 Taboão da Serra 12 103 77 166 Tatuí 0 11 44 33 Aglomerado Urbano de Jundiaí 10 217 340 102 Aglomerado Urbano de Piracicaba 70 512 532 487 Micro de Sorocaba 52 524 788 604 RM Baixada Santista 236 1.534 1.201 1.225 RM Campinas 84 1.223 1.343 640 RM São Paulo 822 9.507 7.611 8.796 RM Vale do Paraíba e Litoral Norte 46 524 571 359 Alto Tietê 829 9.607 7.557 9.132 Baixada Santista 236 1.534 1.201 1.225 Baixo Tietê 86 724 1.561 630 Paraíba do Sul 38 454 531 292 Pardo 71 593 873 241 Peixe 5 96 169 76 Piracicaba/Capivari/Jundiaí 168 2.107 2.576 1.303 Pontal do Paranapanema 7 110 166 71 Sorocaba/Médio Tietê 53 539 817 591 Tietê/Jacaré 92 781 1.214 513 Turvo/Grande 76 1.086 1.582 591 Estado de São Paulo 2.025 22.344 26.029 18.100 TOTAL 249 417 206 378 887 206 352 630 168 265 404 109 423 1.267 131 448 110 639 807 609 1.125 353 1.296 383 15.065 779 357 87 668 1.602 1.968 4.197 3.290 26.735 1.501 27.126 4.197 3.002 1.315 1.777 346 6.153 354 1.999 2.599 3.335 68.499
Estado
UGRHIs
Regiões Metropolitanas
Municípios
www.saudeesustentabilidade.org.br
60
Considerando a distribuição das causas no Estado de São Paulo, a figura 25 mostra que o maior percentual de internações atribuíveis à poluição corresponde a doenças respiratórias em adultos (38%), seguida das doenças cardiovasculares, com 33%. Para todas as outras regiões consideradas, o percentual de internações atribuíveis à poluição foi maior para as doenças respiratórias, exceto para a Baixada Santista e na RMSP, cujo percentual foi maior para as doenças cardiovasculares (36% para ambos). Esses valores refletem, de modo geral, a representatividade das doenças em cada região considerada.
Figura 25 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Estado de São Paulo (2011)
3% 26% 33%
Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
38%
Figura 26 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Aglomerado Urbano de Jundiaí (2011).
15%
2% 32%
Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
51%
www.saudeesustentabilidade.org.br
61
Figura 27 - Internações atribuíveis à poluição por causas no Aglomerado Urbano de Piracicaba (2011).
4% 31% 32%
Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
33%
Figura 28 - Internações atribuíveis à poluição por causas na Microrregião de Sorocaba (2011).
3% 31% 26%
Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
40%
Figura 29 - Internações atribuíveis à poluição por causas na Baixada Santista (2011).
6% 29% 36% Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança 29%
www.saudeesustentabilidade.org.br
62
Figura 30 - Internações atribuíveis à poluição por causas na RM de Campinas. (2011).
19%
3%
Câncer
37%
Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
41%
Figura 31 -Internações atribuíveis à poluição por causas na RMSP (2011).
3% 33% 36%
Câncer Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
28%
Figura 32 - Internações atribuíveis à poluição na RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte (2011).
3% 24%
Câncer
35%
Cardiovascular Respiratório adulto Respiratório criança
38%
www.saudeesustentabilidade.org.br
63
3.2.3 DALY
Em 2011, o número de anos perdidos por morte precoce e vividos por incapacidade atribuíveis às doenças cardiovasculares, respiratórias e câncer de Pulmão no Estado de São Paulo foi de 159.422 anos, na RMSP 76.497 anos e na capital paulistana 40.8113 anos. Nesses valores são incluídas a mortalidade geral e as internações na rede pública e suplementar.
Tabela 13 - Valores de DALY para o Estado Estado de São Paulo UF SP SOMA UGRHI DALY TOTAL (anos) 159.422 136.908
Tabela 14 - Valores de DALY para RM
Região Metropolitana Aglomerado Urbano de Jundiaí Aglomerado Urbano de Piracicaba Micro de Sorocaba RM Baixada Santista RM Campinas RM São Paulo RM Vale do Paraíba e Litoral Norte DALY TOTAL (anos) 1.999 4.100 4.191 17.921 9.749 76.497 2.896
A taxa de DALY para cada 1.000 habitantes na cidade em 2011 é igual a 3,6. Isso significa uma perda de 1,31 dias de vida em um ano para cada morador da cidade de São Paulo, por morte prematura ou perda de qualidade de vida pelas doenças listadas neste estudo. (2011 – Cidade de SP – 11.316.110 hab.).
3
Não inclui internações da saúde suplementar
www.saudeesustentabilidade.org.br
64
Para a RMSP, temos o DALY de 76.497 anos. A taxa de DALY para cada 1.000 habitantes na RMSP de 3,9, o que significa uma perda de 1,42 dias de vida por cada morador da RMSP em 2011. (2011, RMSP - 19.822.559 hab.) Para o Estado temos o DALY de 159.422 anos. A taxa de DALY para cada 1.000 habitantes no Estado de 3,8, ou uma perda de 1,39 dias de vida por morte prematura ou internação para cada residente no Estado de São Paulo, em decorrência da poluição atmosférica, no ano de 2011 para as doenças consideradas no estudo (2011, Estado SP 41.587.182 hab.) Os resultados finais são subestimados por várias razões: número de estações de medição de poluentes limitado para os municípios do Estado; o estudo contempla apenas o MP, um dos poluentes dentre outros importantes que causam dano à saúde e que estão aumentando como o ozônio; do ponto de vista epidemiológico, os parâmetros disponíveis para serem medidos são os mais graves, a morte e a internação, quando a doença alcança o seu estado mais grave, não são medidos os efeitos de adoecimento em suas etapas iniciais.
3.3 RESULTADOS ECONÔMICOS
Inúmeros são os estudos que valoram os efeitos para saúde, no entanto, as metodologias adotadas na maioria dos estudos são diferentes, o que dificulta comparações. (SILVA, 2009; SILVA et al., 2012; MIRAGLIA et al., 2005; VISCUSI, 2011)
3.3.1. Gastos com internações públicas e privadas
Os gastos públicos e privados (saúde suplementar) de internações por doenças cardiovasculares, pulmonares e câncer de pulmão atribuíveis à poluição no Estado de São Paulo, em 2011, foram respectivamente, de R$ 76 milhões e R$ 170 milhões, totalizando gastos de R$ 246 milhões no Estado. O orçamento anual da Saúde para o Estado de SP em 2011 foi de cerca de 13,9 bilhões (SÃO PAULO, 2011).
www.saudeesustentabilidade.org.br
65
O gasto em saúde de internações relacionado à poluição correspondeu a 0,55% do orçamento para aquele ano. Como parâmetro de comparação, o orçamento para 2011 para a prevenção e o controle de endemias foi de aproximadamente R$ 57 milhões, 3/4 dos gastos decorrentes da poluição (SÃO PAULO, 2011). Abaixo, apresenta-se a Tabela 15 com dados de gastos públicos em saúde por município, e a Tabela 16 com dados de gastos públicos e privados em saúde por RM, UGRHIs e Estado de São Paulo.
www.saudeesustentabilidade.org.br
66
Tabela 15 - Gastos públicos (Reais) em saúde devido às internações na Rede Pública de Saúde por município.
Valor internação (2011) Local Saúde pública Americana 435.208 Araçatuba 874.816 Araraquara 445.645 Bauru 898.292 Campinas 1.884.181 Catanduva 410.081 Cubatão 611.575 Diadema 900.485 Jacareí 213.782 Jaú 457.599 Jundiaí 674.185 Marília 227.752 Mauá 601.711 Osasco 2.233.844 Paulínia 215.685 Piracicaba 1.226.072 Presidente Prudente 185.954 Ribeirão Preto 1.459.153 Santo André 1.441.391 Santos 1.027.849 São Bernardo do Campo 2.106.497 São Caetano do Sul 765.941 São José do Rio Preto 2.436.021 São José dos Campos 660.230 São Paulo 31.279.534 Sorocaba 946.210 Taboão da Serra 538.072 Tatuí 118.300
Municípios
www.saudeesustentabilidade.org.br
67
Tabela 16 - Gastos públicos (Reais) e privados em saúde devido às internações na Rede Pública e Suplementar de Saúde por RM, UGRHI e Estado de SP. Valor internação (2011)
Local Saúde pública 898.096 2.458.052 2.322.031 6.398.099 5.238.870 41.270.422 1.821.110 42.618.188 6.398.099 2.370.697 1.561.527 2.149.676 277.838 9.053.417 329.540 2.540.169 3.074.043 3.456.904 Saúde suplementar 1.193.726 3.266.706 2.907.864 9.995.079 7.005.640 46.998.971 2.281.449 47.072.572 9.995.079 3.236.022 2.033.364 2.256.887 423.486 12.250.827 365.053 2.860.637 3.488.077 3.544.733 Gastos totais com saúde 2.091.822 5.724.758 5.229.896 16.393.177 12.244.510 88.269.393 4.102.559 89.690.760 16.393.177 5.606.719 3.594.891 4.406.563 701.325 21.304.244 694.593 5.400.805 6.562.120 7.001.637
Aglomerado Urbano de Jundiaí Aglomerado Urbano de Piracicaba Regiões Metropolitanas Micro de Sorocaba RM Baixada Santista RM Campinas RM São Paulo RM Vale do Paraíba e Litoral Norte Alto Tietê Baixada Santista Baixo Tietê Paraíba do Sul Pardo UGRHIs Peixe Piracicaba/Capivari/Jundiaí Pontal do Paranapanema Sorocaba/Médio Tietê Tietê/Jacaré Turvo/Grande Estado Estado de São Paulo
75.929.666 170.343.770 246.273.436
www.saudeesustentabilidade.org.br
68
3.3.2 Valoração econômica em saúde
DALY x VVE Baseado na metodologia “willingness to pay”, explicada na metodologia, o VVE representa o quanto a sociedade está disposta a pagar para não ter o risco de morte precoce ou anos vividos com incapacidade atribuíveis à poluição. O valor do VVE utilizado corresponde ao valor de US$ 7,4 milhões (em US$ de 2006), como recomendado pela Environmental Protection Agency (EPA), ou seja, um VVE baseado em padrões americanos. Para a cidade de SP significa que a sociedade estaria disposta a pagar US$ 302 bilhões para não correr o risco. Provável que o VVE no Brasil pudesse ser um valor inferior devido a uma série de fatores, um país em desenvolvimento, com muitas diferenças sociais, salários inferiores, etc.. Uma questão ética se impõe, no sentido de se valorar de formas diferentes a vida. No entanto se considerássemos hipoteticamente o valor do VVE brasileiro representando metade do americano, teríamos US$ 151 bilhões.
Tabela 17 – Valor monetário dos anos de vida perdidos por morte prematura ou doenças (DALY), atribuíveis ao PM 2,5, por município - 2011
2011 Local Americana Araçatuba Araraquara Bauru Campinas Catanduva Cubatão Diadema Jacareí Jaú Jundiaí Marília Mauá Osasco Paulínia DALY 694 614 910 981 3.538 448 836 1.325 265 325 904 253 1.114 3.770 258 DALY valorado 5.133.008.895 4.541.795.730 6.732.100.913 7.259.132.270 26.178.021.669 3.312.273.128 6.186.658.367 9.807.266.173 1.962.213.276 2.408.124.469 6.689.340.757 1.870.653.232 8.240.476.798 27.901.400.435 1.908.618.035
Municípios
www.saudeesustentabilidade.org.br
69 Piracicaba Presidente Prudente Ribeirão Preto Santo André Santos São Bernardo do Campo São Caetano do Sul São José do Rio Preto São José dos Campos São Paulo Sorocaba Taboão da Serra Tatuí Aglomerado Urbano de Jundiaí Aglomerado Urbano de Piracicaba Micro de Sorocaba RM Baixada Santista RM Campinas RM São Paulo RM Vale do Paraíba e Litoral Norte Alto Tietê Baixada Santista Baixo Tietê Paraíba do Sul Pardo Peixe Piracicaba/Capivari/Jundiaí Pontal do Paranapanema Sorocaba/Médio Tietê Tietê/Jacaré Turvo/Grande Estado de São Paulo 952 149 1.517 2.954 2.741 3.241 976 1.824 599 40.811 1.462 764 191 1.999 4.100 4.191 17.921 9.749 76.497 2.896 77.005 17.921 3.829 2.614 3.041 510 17.449 442 4.154 5.158 4.784 7.047.238.503 1.099.257.631 11.222.290.597 21.860.773.357 20.283.362.177 23.984.010.641 7.222.506.585 13.498.316.723 4.431.331.424 302.003.821.916 10.820.008.983 5.652.177.534 1.410.221.181 14.794.553.841 30.339.525.462 31.009.829.065 132.618.087.236 72.141.127.234 566.081.158.497 21.428.754.919 569.838.561.918 132.618.087.236 28.335.466.436 19.346.018.885 22.503.368.109 3.775.738.133 129.125.631.184 3.269.382.395 30.737.048.296 38.170.561.404 35.399.658.248
Estado
UGRHIs
Regiões Metropolitanas
159.422 1.179.724.227.275
www.saudeesustentabilidade.org.br
70
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Até aqui o relatório apresentou dados numéricos e informações objetivas. Neste momento, nos permitimos a fazer considerações opinativas, interpretativas, a respeito das informações, e que não devem, em absoluto, ser encaradas como verdade absoluta. São Paulo fez uma lição de casa de controle de poluição do ar para que a cidade tivesse melhores condições do que há 30 anos. Este mecanismo de limpeza do ar permitiu que a evolução dos níveis de poluição atmosférica estacionasse, porém ainda em um patamar significativo como fator de agravo em saúde pública. Afinal, no Estado morrem 17.000 pessoas precocemente e ocorrem 68.500 internações relacionadas à poluição. Por outro lado, as medidas de proposição de controle das emissões não avançam com a energia necessária para a resolução, ou mitigação significativa, em um horizonte visível. Este descompasso indica que estamos perdendo uma oportunidade de fazer o certo e o justo. As mortes e doenças atribuíveis à poluição são efetivamente evitáveis e as medidas para isso são conhecidas. Esperamos que este documento auxilie a propor medidas que possam melhorar a qualidade vida no Estado. No dia do fechamento deste trabalho, nos deparamos com a publicação da pesquisa da NASA sobre o número de mortes ligadas a má qualidade do ar em torno do mundo, “as áreas de cor marrom mais escuro possuem a maior quantidade de óbitos associados, principalmente, às malfadadas micropartículas poluentes PM22,5. Medindo apenas 0,0025mm, elas resultam da combustão incompleta de combustíveis
fósseis utilizados pelos veículos automotores ou em termelétricas, e formam, por exemplo, a fuligem preta em paredes de túneis.” (PLANETA SUSTENTÁVEL, 2013) Isto nos estimula, pois há tantas outras organizações e tão importantes envolvidas no combate à poluição atmosférica.
www.saudeesustentabilidade.org.br
71
Figura 33 - Número de mortes ligadas à má qualidade do ar em todo o mundo
Fonte: Planeta Sustentável. Mapa publicado pela NASA mostra número de mortes ligadas à má qualidade do ar. Disponível em: <http://planetasustentavel.abril.com.br/noticias/mapa-publicado-pela-nasamostra-numero-mortes-ligadas-ma-qualidade-ar-754651.shtml> Acessado em: 20.09.13
www.saudeesustentabilidade.org.br
72
REFERÊNCIAS
ANDERSON, H. R. et al. Meta-analysis of time-series studies and panel studies of Particulate Matter (PM) and Ozone (O3). Copenhagen: WHO, 2004. ANDRÉ, P. A. Redução estimada da emissão de poluentes pelo programa de inspeção veicular em veículos diesel e seu impacto em saúde. LPAE - Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da USP, 2012. Disponível em: < http://vimeo.com/44475710>. Acesso em: 18 set. 2013. BELL, M. L. et al. The avoidable health effects o fair pollution in three Latin American cities: Santiago, São Paulo, and Mexico City. Environmental Research, v. 100, n. 2006, p. 431 - 440, 2005. BRAGA, A. L. et al. Health Effects of Air Pollution Exposure on Children and Adolescents in São Paulo, Brazil. Pediatric Pulmonology, v. 31, p. 106 - 133, 2001. CANÇADO, E. D. et al. The Impact of Sugar Cane - Burning Emissions on the Respiratory System of Children and the Elderly. Environmental Health Perspectives, v. 114, n. 5, p. 725, 2006. CAREY, I. M. et al. Mortality Associations with Long-Term Exposure to Outdoor Air Pollution in a National English Cohort. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 187, p. 1226 - 1233, 2013. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2006. São Paulo: CETESB, 2007. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2007. São Paulo: CETESB, 2008. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2008. São Paulo: CETESB, 2009. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2009. São Paulo: CETESB, 2010. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2010. São Paulo: CETESB, 2011. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2011. São Paulo: CETESB, 2012. CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no Estado de São Paulo 2012. São Paulo: CETESB, 2013.
www.saudeesustentabilidade.org.br
73
COHEN et al. Urban Air Pollution. In: World Health Organization: Comparative Quantification of Health Risks, Chapter 17, p. 82, 2002. CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 3 de 28 de junho de 1990. 1990. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res90/res0390.html>. Acesso em: 10 set. 2012. CONCEIÇÃO, G. M. S. et al. Air Pollution and Child Mortality: A Time-Series Study in São Paulo, Brazil. Environmental Health Perspectives, v. 109, p. 347 - 350, 2001. CONSEMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente. Grupo de trabalho institucional Revisão dos padrões de qualidade do ar e aprimoramento da gestão integrada da qualidade do ar no Estado de São Paulo. 2010. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/tecnologia/camaras/gt_ar/RelatorioFinal-GTNOV2010/Relat%C3%B3rio%20GT%20Final.pdf>. Acesso em: 15. Set. 2013. COOPER, M. J. et al. A satellite-based multi-pollutant index of Global Air Quality. Environ. Sci. Technol., v. 46, n. 16, p. 8523 - 8524, 2012. DOCKERY, D. W. et al. An association between air pollution and mortality in six US cities. New England Journal of Medicine, v. 329, p. 1753 - 1759, 1993. DOCKERY, D. W. et al. An Association between Air Pollution and Mortality in Six U.S. Cities. The New England Journal of Medicine, v. 329, n. 24, p. 1753 - 1759, 1993. DOMINICI, F. et al. On generalized additive models in time series studies of air pollution and health. Am J Epidemiol, v. 156, p. 193 - 203, 2002. EPA - U.S. Environmental Protection Agency. Value of statistical life. 2013. Disponível em: <http://yosemite.epa.gov/ee/epa/eed.nsf/pages/MortalityRiskValuation.html#whatvalu e>. Acesso em: 17 set. 2013. FAJERSZTAJN, L. et al. Air pollution: a potentially risk factor for lung cancer. Nature Reviews Cancer, v. 13, p. 674 - 678, 2012. FARHAT, S. C. L. et al. Effect o fair pollution on pediatric respiratory emergency room visits and hospital admissions. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 38, n. 2, p. 227 - 235, 2005. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm>. Acesso em: 12 set. 2013.
www.saudeesustentabilidade.org.br
74
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries estatísticas: Estados. 2013. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=sp>. Acesso em: 11 set. 2013. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica e Socioconômica, n. 26, p. 252, 2009. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. 2010. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/default.php>. Acesso em: 30 ago. 2013. KATSOUYANNI, K et al. Confounding and effect modification in short-term effects of ambient particules on total mortality: results from 29 European cities within the APHEA2 Project. Epidemiology, v.12, P. 521 - 531 , 2001. KREWSKI, D. et al. Reanalysis of the Harvard Six Cities Study and the American Cancer Society Study of Particulate Air Pollution and Mortality. Boston: Health Effects Institute, 2000. LADEN, F. et al. Reduction in Fine Particulate Air Pollution and Mortality. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 173, p. 667 - 672, 2006. LEPEULE, J. et al. Chronic Exposure to Fine Particles and Mortality: An Extended Followup of the Harvard Six Cities Study from 1974 to 2009. Environmental Health Perspectives, V. 120, n. 7, p. 965 - 970, 2012. LIN, C. A. et al. Air pollution and neonatal deaths in São Paulo, Brazil. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 37, n. 5, p. 765 - 770, 2004. MATHERS, C. D. et al. National Burden of Disease Studies: A Practical Guide, Edition 2.0. Global Programn Evidence for Health Policy. Geneva: Wolrd Health Organization, 2001. MIRAGLIA, S.G.E.K. e SILVA, C.B.P. Quanto custa viver nas metrópoles? Cap.9. In: SALDIVA, P.H.N. et al. Meio Ambiente e Saúde : o Desafio das Metrópoles, Instituto Saúde e Sustentabilidade, Editora Ex Libris, 2010. MIRAGLIA, S.G.E.K. et al. An Evaluation of Air Pollution Health Impacts and Costs in São Paulo, Brazil. Environmental Management, vol. 35, n.5, p.667-676, 2005. MIRAGLIA, S.G.E.K. et al. Valoração Ambiental da Qualidade do Ar no Município de São Paulo: Resultados preliminares, 2010 citado Miraglia, S. et al. Quanto custa viver nas metrópoles In Saldiva, P et al., pág 170, Meio Ambiente e Saúde: o Desafio das Metrópoles. Ex‐Libris Editora, 2010. MURRAY, C. J. et al. Disability Adjusted Life Years (DALYs) for 291 diseases and injuries in 21 regions, 1990-2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet, v. 380, p. 2197 - 2223, 2012.
www.saudeesustentabilidade.org.br
75
MURRAY, C. J. L; LOPEZ, A. D. The global burden of disease: A comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries, and risk factors in 1990 and projected to 2020. Harvard School of Public Health. Cambridge, Massachusetts, 1996. MURRAY, C. J.; LOPEZ, A. D. The Global Burden of Disease: a comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries and risk factors in 1990 and projected to 2020. Boston: Harvard School of Public Health on behalf of the World Health Organization and the World Bank, 1996. NASCIMENTO, L. F. C. et al. Efeitos da poluição atmosférica na saúde infantil em São José dos Campos, SP. Revista Saúde Pública, v. 40, n. 1, p. 77 - 82, 2006. NAWROT, T. S. et al. Public health importance of triggers of myocardial infarction: a comparative risk assessment. The Lancet, v. 377, p. 732 - 740, 2011. NIELSEN, O. R. et al. Air pollution and lung cancer incidence in 17 European cohorts: prospective analyses from the European Study of Cohorts for Air Pollution Effects (ESCAPE). The Lancet Oncology, v. 14, n. 9, p. 813 - 822, jul. 2013. OECD - Organization for Economic Co-operation and Development. OECD Environmental Outlook to 2050: The Consequences of Inaction. OECD: 2011. OSTRO, B. Health Impact Assessment. In: Air Quality Guidelines: Global Update 2005. World Health Organization, p. 153-172, 2006. OSTRO, B. Outdoor air pollution: assessing the environmental burden of disease at national and local levels. Geneva: WHO, 2004 (WHO Environmental Burden of Diseases Series, n. 5). PEREIRA, L. A. et al. Association between air pollution and intrauterine mortality in São Paulo, Brazil. Environ Health Perspect, v. 106, p. 325 - 329, 1998. PETERS, A. Particulate matter and heart disease: Evidence from epidemiological studies. Toxicology and Applied Pharmacology, v. 207, n. 2005, p. 477 - 482, 2005. POPE, C. A. et al. Cardiovascular Mortality and Long-Term Exposure to Particulate Air Pollution: Epidemiological Evidence of General Pathophysiological Pathways of Disease. Circulation, v. 109, p. 71 - 77, 2004. POPE, C. A. et al. Lung cancer, cardiopulmonar mortalilty, and long-term exposure to fine particulate air pollution. Journal of the American Medical Association, v. 287, p. 1132 - 1141, 2002. POPE, C. A. et al. Particulate air pollution as a predictor of mortality in a prospective study of US adults. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 151, p. 669-674, 1995.
www.saudeesustentabilidade.org.br
76
POPE, C. A. et al. Particulate Air Pollution as a Predictor of Mortality in a Prospective Study of U.S. Adults. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine, v. 151, p. 669 - 674, 1994. POPE, C. A.: DOCKERY, D. W. Health Effects of Fine Particulate Air Pollution: Lines that Connect. Air & Waste Management Association, v. 56, p. 709 - 742, 2006. RAMSAY, T. O. et al. The effect of concurvity on generalized additive models linking mortality to ambient particulate matter. Epidemiology, v. 14, p. 18 - 23, 2003. SALDIVA, P. H. N. et al. O etanol e a saúde. In.: SOUSA, E. L.; MACEDO, I.C. (Coords.), Etanol e Bioeletricidade: A cana-de-açúcar no futuro da matriz energética. São Paulo: Luc Editora, 2010, p. 98 - 135. SALDIVA, P. H. N. O homem e o meio ambiente urbano. In: VORMITTAG, E. M. P. A. A.; SALDIVA, P. H. N. (Coords.), Meio ambiente e saúde: o desafio das metrópoles. São Paulo: Ex Libris, 2010, p. 18 - 21. SALDIVA, P. H. N.: ANDRÉ, P. A. Avaliação dos aspectos ambientais, de saúde e sócioeconômicos envolvidos com a implementação do PROCONVE em seis Regiões Metropolitanas. São Paulo: LPAE - Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental, 2009. SALOMON, J. A. Common values in assessing health outcomes from disease and injury: disability weights measurement study for the Global Burden of Disease Study 2010. Lancet, v. 380, p. 2129 - 2143, 2012. SÃO PAULO (Estado). Decreto nº 59.113, de 23 de abril de 2013. Estabelece novos padrões de qualidade do ar e dá providências correlatas. São Paulo, 2013. SÃO PAULO (Estado). Orçamento do Estado - 2011. Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo. Disponível em: < http://www.planejamento.sp.gov.br/noti_anexo/files/planejamento_orcamento/orcam entos/2011/lei_orcam_2011.pdf>. Acesso em: 15 set. 2013. SEADE - Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Divisões regionais das Secretarias de Estado da Educação, da Saúde e de Recursos Hídricos, Saneamento e Obras. São Paulo: SEADE, 2002. Disponível em: <http://www.seade.gov.br/index.php?option=com_itpgooglesearch&view=search>. Acesso em: 17. Set. 2013. SEMPLA - Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão. Aplicação dos Recursos na Saúde Exercício 2011. 2011. Disponível em: <http://sempla.prefeitura.sp.gov.br/orcamento/orcamento_2011/2011_final_detalhad o_saude.pdf>. Acesso em: 15 set. 2013.
www.saudeesustentabilidade.org.br
77
SILVA, C. B. P. et al. Evaluation of the air quality benefits of the subway system in São Paulo, Brazil. Journal of Environmental Management, v. 101, p. 191 - 196, mar. 2012. SILVA, C. B. P. Valoração dos Benefícios do Metrô para a Saúde Pública Associados à Poluição do Ar na cidade de São Paulo. 2009. 159 p. Dissertação (Mestrado em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente) - Centro Universitário Senac, São Paulo. ULIRSCH, G.V. et al. Effect of particulate matter air pollution on hospital admissions and medical visits for lung and heart disease in two southeast Idaho cities. Journal of Exposure Science and Environmental Epidemiology, v. 17, p. 478 - 487, 2007. VAHLSING, C.; SMITH. K. R. Global review of national ambient air quality standards for MP10 and SO2 (24h). Air Quality, Atmosphere & Health, v. 5, n. 4, p. 393 - 399, 2012. VISCUSI, W. K. Policy Challenges of the Heterogeneity of the Value of Statistical Life. Published Articles & Papers, Paper 95, 2011. VISCUSI, W. K.; ALDY, J. E. The Value of a Statistical Life: A Critical Review of Market Estimates Throughout the World. Harvard Law School John M. Olin Center for Law, Economics and Business Discussion Paper Series, Paper 392, 2002. WHO - World Health Organization. Air Quality Guidelines - Global Update 2005. Copenhagen: WHO, 2006
www.saudeesustentabilidade.org.br
78
ANEXO
Região Metropolitana de São Paulo (39 municípios) São Paulo; Arujá; Barueri; Biritiba-Mirim; Caieiras; Cajamar; Carapicuíba; Cotia; Diadema; Embu; Embu-Guaçu; Ferraz de Vasconcelos; Francisco Morato; Franco da Rocha; Guararema; Guarulhos; Itapecerica da Serra; Itapevi; Itaquaquecetuba; Jandira; Juquitiba; Mairiporã; Mauá; Mogi das Cruzes; Osasco; Pirapora do Bom Jesus; Poá; Ribeirão Pires; Rio Grande da Serra; Salesópolis; Santa Isabel; Santana de Parnaíba; Santo André; São Bernardo do Campo; São Caetano do Sul; Suzano; Taboão da Serra; Vargem Grande Paulista; São Lourenço da Serra. Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte (39 municípios) (LEI COMPLEMENTAR Nº 1.166, DE 9 DE JANEIRO DE 2012) Aparecida; Arapeí; Areias; Bananal; Caçapava; Cachoeira Paulista; Campos do Jordão; Canas; Caraguatatuba; Cruzeiro; Cunha; Guaratinguetá; Igaratá; Ilhabela; Jacareí; Jambeiro; Lagoinha; Lavrinhas; Lorena; Monteiro Lobato; Natividade da Serra; Paraibuna; Pindamonhangaba; Piquete; Potim; Queluz; Redenção da Serra; Roseira; Santa Branca; Santo Antonio do Pinhal; São Bento do Sapucaí; São José do Barreiro; São José dos Campos; São Luiz do Paraitinga; São Sebastião; Silveiras; Taubaté; Tremembé; Ubatuba. RM Campinas (19 municípios) Americana; Artur Nogueira; Campinas; Cosmópolis; Engenheiro Coelho; Holambra; Hortolândia; Indaiatuba; Itatiba; Jaguariúna; Monte Mor; Nova Odessa; Paulínia; Pedreira; Santa Bárbara d'Oeste; Santo Antônio de Posse; Sumaré; Valinhos; Vinhedo RM Baixada Santista (9 municípios) Bertioga; Cubatão; Guarujá; Itanhaém; Mongaguá; Peruíbe; Praia Grande; Santos; São Vicente. Aglomerado Urbano de Jundiaí (7 municípios) (Lei Complementar Estadual Nº 1.146, de 24 de agosto de 2011) Cabreúva; Campo Limpo Paulista; Itupeva; Jarinu; Jundiaí; Louveira; Várzea Paulista. Microregião de Sorocaba (19 municípios) Alumínio; Araçariguama; Araçoiaba da Serra; Boituva; Capela do Alto; Ibiúna; Iperó; Itu; Mairinque; Piedade; Pilar do Sul; Porto Feliz; Salto; Salto de Pirapora; Sarapuí; São Roque; Sorocaba; Tapiraí; Voto.
www.saudeesustentabilidade.org.br
79
Aglomeração Urbano de Piracicaba (22 municípios) Águas de São Pedro; Analândia; Araras; Capivari; Charqueada; Conchal; Cordeirópolis; Corumbataí; Elias Fausto; Ipeúna; Iracemápolis; Leme; Limeira; Mombuca; Piracicaba; Rafard; Rio Claro; Rio das Pedras; Saltinho; Santa Gertrudes; Santa Maria da Serra; São Pedro. Unidades de Gerenciamento de Recursos Hídricos – UGRHI’s UGRHI 01 – Mantiqueira (3 municípios) Campos do Jordão, Santo Antônio do Pinhal e São Bento do Sapucaí. UGRHI 02 – Paraíba do Sul (34 municípios) Aparecida, Arapeí, Areias, Bananal, Caçapava, Cachoeira Paulista, Canas, Cruzeiro, Cunha, Guararema, Guaratinguetá, Igaratá, Jacareí, Jambeiro, Lagoinha, Lavrinhas, Lorena, Monteiro Lobato, Natividade da Serra, Paraibuna, Pindamonhangaba, Piquete, Potim, Queluz, Redenção da Serra, Roseira, Santa Branca, Santa Isabel, São José do Barreiro, São José dos Campos, São Luís do Paraitinga, Silveiras, Taubaté e Tremembé. UGRHI 03 – Litoral Norte (4 municípios) Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba. UGRHI 04 – Pardo (23 municípios) Altinópolis, Brodowski, Caconde, Cajuru, Casa Branca, Cássia dos Coqueiros, Cravinhos, Divinolândia, Itobi, Jardinópolis, Mococa, Ribeirão Preto, Sales de Oliveira, Santa Cruz da Esperança, Santa Rosa do Viterbo, São José do Rio Pardo, São Sebastião da Grama, São Simão, Serra Azul, Serrana, Tambaú, Tapiratiba e Vargem Grande do Sul. UGRHI 05 – Piracicaba/Capivari/Jundiaí (57 municípios) Águas de São Pedro, Americana, Amparo, Analândia, Artur Nogueira, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Campinas, Campo Limpo Paulista, Capivari, Charqueada, Cordeirópolis, Corumbataí, Cosmópolis, Elias Fausto, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Ipeúna, Iracemápolis, Itatiba, Itupeva, Jaguariúna, Jarinu, Joanópolis, Jundiaí, Limeira, Louveira, Mombuca, Monte Alegre do Sul, Monte Mor, Morungaba, Nazaré Paulista, Nova Odessa, Paulínia, Pedra Bela, Pedreira, Pinhalzinho, Piracaia, Piracicaba, Rafard, Rio Claro, Rio das Pedras, Salto, Saltinho, Santa Bárbara D’Oeste, Santa Gertrudes, Santa Maria da Serra, Santo Antônio de Posse, São Pedro, Sumaré, Tuiuti, Valinhos, Vargem, Várzea Paulista e Vinhedo. UGRHI 06 – Alto Tietê (34 municípios) Arujá, Barueri, Biritiba Mirim, Caieiras, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Diadema, Embu, Embu-Guaçu, Ferraz de Vasconcelos, Francisco Morato, Franco da Rocha, Guarulhos,
www.saudeesustentabilidade.org.br
80
Itapecerica da Serra, Itapevi, Itaquaquecetuba, Jandira, Mairiporã, Mauá, Mogi das Cruzes, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Poá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Salesópolis, Santana de Parnaíba, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São Paulo, Suzano e Taboão da Serra. UGRHI 07 – Baixada Santista (9 municípios) Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente. UGRHI 08 – Sapucaí/Grande (22 municípios) Aramina, Batatais, Buritizal, Cristais Paulista, Franca, Guaíra, Guará, Igarapava, Ipuã, Itirapuã, Ituverava, Jeriquara, Miguelópolis, Nuporanga, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Rifaina, Santo Antônio da Alegria, São Joaquim da Barra e São José da Bela Vista. UGRHI 09 – Mogi-Guaçu (38 municípios) Aguaí, Águas da Prata, Águas de Lindóia, Américo Brasiliense, Araras, Barrinha, Conchal, Descalvado, Dumont, Engenheiro Coelho, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Guariba, Guatapará, Itapira, Jaboticabal, Leme, Lindóia, Luís Antônio, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Motuca, Pirassununga, Pitangueiras, Pontal, Porto Ferreira, Pradópolis, Rincão, Santa Cruz da Conceição, Santa Cruz das Palmeiras, Santa Lúcia, Santa Rita do Passa Quatro, Santo Antônio do Jardim, São João da Boa Vista, Serra Negra, Sertãozinho, Socorro e Taquaral. UGRHI 10 – Sorocaba/Médio Tietê (33 municípios) Alambari, Alumínio, Anhembi, Araçariguama, Araçoiaba da Serra, Bofete, Boituva, Botucatu, Cabreúva, Capela do Alto, Cerquilho, Cesário Lange, Conchas, Ibiúna, Iperó, Itu, Jumirim, Laranjal Paulista, Mairinque, Pereiras, Piedade, Porangaba, Porto Feliz, Quadra, Salto de Pirapora, São Roque, Sarapuí, Sorocaba, Tatuí, Tietê, Torre de Pedra, Vargem Grande Paulista e Votorantim. UGRHI 11 – Ribeira de Iguape/Litoral Sul (23 municípios) Apiaí, Barra do Chapéu, Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itaoca, Itapirapuã Paulista, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Juquitiba, Miracatu, Pariquera-Açú, Pedro de Toledo, Registro, Ribeira, São Lourenço da Serra, Sete Barras e Tapiraí. UGRHI 12 – Baixo Pardo/Grande (12 municípios) Altair, Barretos, Bebedouro, Colina, Colômbia, Guaraci, Icém, Jaborandi, Morro Agudo, Orlândia, Terra Roxa e Viradouro.
www.saudeesustentabilidade.org.br
81
UGRHI 13 – Tietê/Jacaré (34 municípios) Agudos, Araraquara, Arealva, Areiópolis, Bariri, Barra Bonita, Bauru, Boa Esperança do Sul, Bocaina, Boracéia, Borebi, Brotas, Dois Córregos, Dourado, Gavião Peixoto, Iacanga, Ibaté, Ibitinga, Igaraçu do Tietê, Itaju, Itapuí, Itirapina, Jaú, Lençóis Paulista, Macatuba, Mineiros do Tietê, Nova Europa, Pederneiras, Ribeirão Bonito, São Carlos, São Manuel, Tabatinga, Torrinha e Trabiju. UGRHI 14 – Alto Paranapanema (34 municípios) Angatuba, Arandu, Barão de Antonina, Bernardino de Campos, Bom Sucesso do Itararé, Buri, Campina do Monte Alegre, Capão Bonito, Coronel Macedo, Fartura, Guapiara, Guareí, Ipaussu, Itaberá, Itaí, Itapetininga, Itapeva, Itaporanga, Itararé, Manduri, Nova Campina, Paranapanema, Pilar do Sul, Piraju, Ribeirão Branco, Ribeirão Grande, Riversul, São Miguel Arcanjo, Sarutaiá, Taguaí, Taquarituba, Taquarivaí, Tejupá e Timburi. UGRHI 15 – Turvo/Grande (64 municípios) Álvares Florence, Américo de Campos, Ariranha, Aspásia, Bálsamo, Cajobi, Cândido Rodrigues, Cardoso, Catanduva, Catiguá, Cedral, Cosmorama, Dolcinópolis, Embaúba, Estrela D’Oeste, Fernando Prestes, Fernandópolis, Guapiaçú, Guarani D’Oeste, Indiaporã, Ipiguá, Macedônia, Meridiano, esópolis, Mira Estrela, Mirassol, Mirassolândia, Monte Alto, Monte Azul Paulista, Nova Granada, Novais, Olímpia, Onda Verde, Orindiúva, Ouroeste, Palestina, Palmares Paulista, Paraíso, Paranapuã, Parisi, Paulo de Faria, Pedranópolis, Pindorama, Pirangi, Pontes Gestal, Populina, Riolândia, Santa Adélia, Santa Albertina, Santa Clara D’Oeste, Santa Rita d’Oeste, São José do Rio Preto, Severínia, Tabapuã, Taiaçu, Taiúva, Tanabi, Turmalina, Uchoa, Urânia, Valentim Gentil, Vista Alegre do Alto, Vitória Brasil e Votuporanga. UGRHI 16 – Tietê/Batalha (33 municípios) Adolfo, Avaí, Bady Bassit, Balbinos, Borborema, Cafelândia, Dobrada, Elisiário, Guaiçara, Guarantã, Ibirá, Irapuã, Itajobi, Itápolis, Jaci, Lins, Marapoama, Matão, Mendonça, Nova Aliança, Novo Horizonte, Pirajuí, Piratininga, Pongaí, Potirendaba, Presidente Alves, Reginópolis, Sabino, Sales, Santa Ernestina, Taquaritinga, Uru e Urupês. UGRHI 17 – Médio Paranapanema (42 municípios) Águas de Santa Bárbara, Alvinlândia, Assis, Avaré, Cabrália Paulista, Campos Novos Paulista, Cândido Mota, Canitar, Cerqueira César, Chavantes, Cruzália, Duartina, Echaporã, Espírito Santo do Turvo, Fernão, Florínea, Gália, Iaras, Ibirarema, Itatinga, João Ramalho, Lucianópolis, Lupércio, Maracaí, Ocauçu, Óleo, Ourinhos, Palmital, Paraguaçu Paulista, Pardinho, Paulistânia, Pedrinhas Paulista, Platina, Pratânia, Quatá,
www.saudeesustentabilidade.org.br
82
Rancharia, Ribeirão do Sul, Salto Grande, Santa Cruz do Rio Pardo, São Pedro do Turvo, Tarumã e Ubirajara. UGRHI 18 – São José dos Dourados (25 municípios) Aparecida D’Oeste, Auriflama, Dirce Reis, Floreal, General Salgado, Guzolândia, Ilha Solteira, Jales, Marinópolis, Monte Aprazível, Neves Paulista, Nhandeara, Nova Canaã Paulista, Palmeira d’Oeste, Pontalinda, Rubinéia, Santa Fé do Sul, Santa Salete, Santana da Ponte Pensa, São Francisco, São João das Duas Pontes, São João de Iracema, Sebastianópolis do Sul, Suzanápolis e Três Fronteiras. UGRHI 19 – Baixo Tietê (42 municípios) Alto Alegre, Andradina, Araçatuba, Avanhandava, Barbosa, Bento de Abreu, Bilac, Birigui, Braúna, Brejo Alegre, Buritama, Castilho, Coroados, Gastão Vidigal, Glicério, Guaraçaí, Guararapes, Itapura, José Bonifácio, Lavínia, Lurdes, Macaubal, Magda, Mirandópolis, Monções, Murutinga do Sul, Nipoã, Nova Castilho, Nova Luzitânia, Penápolis, Pereira Barreto, Planalto, Poloni, Promissão, Rubiácea, Santo Antônio do Aracanguá, Sud Mennucci, Turiuba, Ubarana, União Paulista, Valparaíso e Zacarias. UGRHI 20 – Aguapeí (32 municípios) Álvaro de Carvalho, Arco-Íris, Clementina, Dracena, Gabriel Monteiro, Garça, Getulina, Guaimbé, Herculândia, Iacri, Julio Mesquita, Lucélia, Luiziânia, Monte Castelo, Nova Guataporanga, Nova Independência, Pacaembu, Panorama, Parapuã, Paulicéia, Piacatu, Pompéia, Queiroz, Quintana, Rinópolis, Salmourão, Santa Mercedes, Santópolis do Aguapeí, São João do Pau D’Alho, Tupã, Tupi Paulista e Vera Cruz. UGRHI 21 – Peixe (26 municípios) Adamantina, Alfredo Marcondes, Álvares Machado, Bastos, Borá, Caiabu, Emilianópolis, Flora Rica, Flórida Paulista, Indiana, Inúbia Paulista, Irapuru, Junqueirópolis, Lutécia, Mariápolis, Marília, Martinópolis, Oriente, Oscar Bressane, Osvaldo Cruz, Ouro Verde, Piquerobi, Pracinha, Ribeirão dos Índios, Sagres e Santo Expedito. UGRHI 22 – Pontal do Paranapanema (21 municípios) Anhumas, Caiuá, Estrela do Norte, Euclides da Cunha Paulista, Iepê, Marabá Paulista, Mirante do Paranapanema, Nantes, Narandiba, Pirapozinho, Presidente Bernardes, Presidente Epitácio, Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Regente Feijó, Rosana, Sandovalina, Santo Anastácio, Taciba, Tarabaí e Teodoro Sampaio.
www.saudeesustentabilidade.org.br
83
www.saudeesustentabilidade.org.br
Documento de domínio público.

Comente no site usando seu Facebook

Comente com Facebook