Editorial - Sobre o anúncio de tarifa zero em Paulínia

Algumas considerações sobre as condições em que o anúncio foi feito

O recente anúncio de “tarifa zero” no transporte público municipal à partir de outubro ganhou repercussão no país por ser o primeiro município a adotar a medida depois dos protestos de junho. (Notícia)

Como cidadãos de Paulinia, trazemos algumas considerações sobre as condições em que se faz o anúncio:

  1. HISTÓRICO - Paulínia já teve tarifa zero no transporte municipal. Foi num período entre 1993 e 1996, na administração do pai do atual prefeito. Em sua segunda administração em 2001 rejeitou a medida e afirmou que os moradores eram contra a gratuidade no transporte principalmente devido à superlotação. (Notícia)
  2. TARIFA - A tarifa atual é de R$ 1,00 para o usuário. A prefeitura paga R$ 1,60 de subsídio por passageiro totalizando R$ 2,60 recebidos pela única empresa que opera o transporte público municipal (Passaredo). Aos domingos e feriados é tarifa zero para os usuários. (Decreto)
  3. MANIFESTAÇÕES - Paulínia teve 3 protestos na onda das manifestações de junho. Algumas reivindicações foram por investimentos em saúde, educação e definição da situação política. Tarifa zero não apareceu como reivindicação. (Notícia)
  4. RECEITA BILIONÁRIA - Se municípios têm recursos para dar tarifa zero, certamente Paulínia é um dos que tem as condições mais favoráveis. É um dos 56 municípios com receita orçamentária bilionária, e destes o que tem a menor população. (Gráfico)
  5. PREFEITO-FILHO - O prefeito que fez o anúncio assumiu o governo ONTEM após batalha judicial. Virou candidato na véspera da eleição substituindo o pai, ficha-suja barrado pela justiça eleitoral e que fez campanha como “puxador-de-votos”. Nome e foto na urna foram do pai. Foi um drible na Lei da Ficha Limpa. (Notícia)
  6. DENÚNCIA DO MP - O novo prefeito não tem qualquer garantia que permanecerá no cargo até outubro quando foi anunciado que entrará em vigor “tarifa zero”. Há um grave processo por denúncia de "compra de votos" que aguarda decisão. (Notícia)
  7. RISCO DE CASSAÇÃO - Tarifa zero, além de ser em tese um bom benefício, é também uma jogada de marketing com excelente "timing". Mostrar serviço agora é uma maneira de gerar um clima favorável ao novo governo, que está sob risco de cassação.
  8. SIM, MAS COM TRANSPARÊNCIA - Conquistas populares são dignas de comemoração. A realidade de Paulínia tem suas especificidades e nem sempre subsídio público pode ser entendido apenas como “conquista popular”. A passagem custa atualmente R$ 2,60, sendo R$ 1 pago pelo usuário e R$ 1,60 na forma de subsídio pago pela prefeitura à empresa. O subsídio de 100% sem uma abertura dos contratos e das planilhas detalhadas ao público poderia ocultar mau-uso de recursos com verniz de “conquista popular”.

Comentários

imagem de Paulinia.net

Por fim a Prefeitura mudou o projeto e enviou pra Câmara um projeto descaracterizado com "tarifa zero" somente para famílias de baixa renda. A Câmara rejeitou: http://paulinia.net/2013/10/16/camara-aprova-abono-instaura-cei-saude-de...

Comente no site usando seu Facebook

Comente com Facebook