Campinas

Estudo da Agemcamp aborda deslocamentos na RMC

Paulínia é a terceira cidade a receber mais fluxos de outras cidades da RMC

A Agência Metropolitana de Campinas (Agemcamp), autarquia estadual, que tem por finalidade "integrar a organização, o planejamento e a execução das funções públicas de interesse comum na Região Metropolitana de Campinas", realizou uma análise do estudo “Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, focando no arranjo constituído na RMC. Segundo o IBGE, “arranjo populacional é o agrupamento de dois ou mais municípios onde há uma forte integração populacional devido aos movimentos pendulares para trabalho ou estudo, ou devido à contiguidade entre as manchas urbanizadas principais”.

O estudo mostrou que Campinas, Americana e Paulínia são, respectivamente, os três municípios que mais recebem fluxos externos de pessoas para trabalharem ou estudarem. A metrópole campineira é responsável por receber 114.893 pessoas (44,8% do total), enquanto Americana recebe 34.571 pessoas (13,48%) e Paulínia recebe 18.493 (7,21% da quantidade total). Por sua vez, os municípios que mais cedem moradores para atividades em outras cidades da região são Sumaré, com 50.361 pessoas que saem para estudar ou trabalhar fora (cerca de 19,64% do total), seguido de Hortolândia, com 46.136 pessoas (18%) e Campinas, com 33.022 (12,88%).

Paulínia também apresenta o terceiro maior índice de integração com a região metropolitana. Índice de integração é a relação entre a quantidade de pessoas que trabalham e/ou estudam em outros municípios e a quantidade de pessoas que trabalham e/ou estudam no próprio município. Nesse quesito, Holambra lidera, com 0,77, seguida de Nova Odessa (0,62) e Paulínia (0,60).

O estudo também apresenta os maiores fluxos da região. Entre os 10 maiores, dois envolvem Paulínia: Paulínia -> Campinas, que é o quinto maior fluxo da região metropolitana, e Cosmópolis -> Paulínia, que é o oitavo maior fluxo metropolitano.

A análise completa pode ser consultada no site da Agemcamp.

Polícia Federal deflagra operação para combater pedofilia na internet

40 policiais federais deram cumprimento a 10 mandados de busca e apreensão em cidades da região, inclusive Paulínia

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje, 27/11, a Operação Adoletá, para combater crimes de difusão pela internet de imagens com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes, e o armazenamento das citadas imagens, crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Cerca de 40 policiais federais deram cumprimento a 10 mandados de busca e apreensão, em endereços localizados nas cidades de Campinas, Hortolândia, Monte Mor, Paulínia, Mogi Mirim, Mococa, Espírito Santo do Pinhal e Campo Limpo Paulista.

Essa operação é fruto do constante monitoramento que a Polícia Federal realiza na internet e nas redes sociais, com o fim de identificar internautas que tenham realizado o armazenamento ou a troca de imagens pornográficas de crianças e adolescentes

Os crimes apurados são apenados com reclusão de 3 a 6 anos, no caso da transmissão, e de 1 a 4 anos, em situação de armazenamento.

Fonte: Agência de Notícias da Polícia Federal

17ª edição do projeto Reviva Rio Atibaia

Reportagem da TV Correio

O evento que acontece na praça Beira Rio, em Sousas, realizou a tradicional barqueata para a retirada do lixo superficial do Rio.

Faculdade da Unicamp raciona água e alunos ficam sem chuveiro

Reportagem da TV Correio

Alunos dizem que entendem a medida, mas aulas ficam prejudicadas.

População de Campinas vai receber água de reúso

Reportagem da TV Correio

A decisão está em um pacote de medidas de enfrentamento da crise hídrica anunciado pelo prefeito Jonas Donizette.

Conteúdo sindicalizado