Cosmópolis

Setransp prolonga linha 100 até a Estrada do Recanto das Águas

Bairros que não contavam com transporte público terão atendimento a cada 80 minutos

A Secretaria de Transportes de Paulínia (Setransp) prolongou, em alguns horários, a linha 100 do transporte público municipal, que atende até o Marieta Dian, para o bairro Recanto das Águas. A medida vale desde o último dia 14 (domingo) e visa atender demanda antiga da população do local, localizado entre Americana e Cosmópolis.

A mudança atenderá os bairros cosmopolenses Recanto Pôr-do-Sol, Santa Matilde e Village São Joaquim. A ex-moradora Aline Marinês, que viveu durante nove anos na antiga Granja Coavi, situada na região, recebeu bem a decisão e desabafou: "até que enfim alguém olhou pelas pessoas moram naquela área. Quem já passou por isso sabe bem como é sair de casa e na bolsa levar um paninho úmido pra poder limpar os pés assim que chegasse no asfalto. Só quem já caminhou muito na lama, cansado e com filhos no colo, sabe quão bom é ter o direito de ter um transporte público reconhecido."

Embora localizada fora do município, a região constitui-se em uma continuação da mancha urbana da cidade de Paulínia e por isso a população local geralmente utiliza os serviços públicos paulinenses. Muitas inclusive votam na cidade. O prolongamento de uma linha municipal àquela região foi possível graças ao aval da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU-SP), que verificou não ser viável um atendimento de caráter metropolitano na região; e também da prefeitura de Cosmópolis. Uma representação no Ministério Público de Paulínia, aberta em dezembro de 2014 pelo vereador Tiguila Paes (PRTB) também solicitava medidas para levar transporte público às localidades.

Os horários da linha podem ser consultados aqui no Paulinia.net nessa página. Confira o itinerário do trecho no mapa abaixo.

Veja também

Estudo da Agemcamp aborda deslocamentos na RMC

Paulínia é a terceira cidade a receber mais fluxos de outras cidades da RMC

A Agência Metropolitana de Campinas (Agemcamp), autarquia estadual, que tem por finalidade "integrar a organização, o planejamento e a execução das funções públicas de interesse comum na Região Metropolitana de Campinas", realizou uma análise do estudo “Arranjos Populacionais e Concentrações Urbanas do Brasil”, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, focando no arranjo constituído na RMC. Segundo o IBGE, “arranjo populacional é o agrupamento de dois ou mais municípios onde há uma forte integração populacional devido aos movimentos pendulares para trabalho ou estudo, ou devido à contiguidade entre as manchas urbanizadas principais”.

O estudo mostrou que Campinas, Americana e Paulínia são, respectivamente, os três municípios que mais recebem fluxos externos de pessoas para trabalharem ou estudarem. A metrópole campineira é responsável por receber 114.893 pessoas (44,8% do total), enquanto Americana recebe 34.571 pessoas (13,48%) e Paulínia recebe 18.493 (7,21% da quantidade total). Por sua vez, os municípios que mais cedem moradores para atividades em outras cidades da região são Sumaré, com 50.361 pessoas que saem para estudar ou trabalhar fora (cerca de 19,64% do total), seguido de Hortolândia, com 46.136 pessoas (18%) e Campinas, com 33.022 (12,88%).

Paulínia também apresenta o terceiro maior índice de integração com a região metropolitana. Índice de integração é a relação entre a quantidade de pessoas que trabalham e/ou estudam em outros municípios e a quantidade de pessoas que trabalham e/ou estudam no próprio município. Nesse quesito, Holambra lidera, com 0,77, seguida de Nova Odessa (0,62) e Paulínia (0,60).

O estudo também apresenta os maiores fluxos da região. Entre os 10 maiores, dois envolvem Paulínia: Paulínia -> Campinas, que é o quinto maior fluxo da região metropolitana, e Cosmópolis -> Paulínia, que é o oitavo maior fluxo metropolitano.

A análise completa pode ser consultada no site da Agemcamp.

Mesmo com chuvas, crise hídrica continua afetando a RMC [VÍDEO]

Reportagem da TV Correio

As abundantes chuvas de fevereiro ainda não sinalizam que haverá água para enfrentar o período de estiagem a partir de abril.

Adolescente morre ao cair de poço de 17 metros

Jovem estava em cima de uma tábua quando perdeu o equilíbrio

Conteúdo sindicalizado